02 jun

Internet sem complicação

Nos últimos anos, com o aumento da quantidade de informações e serviços disponibilizados através da internet, as interfaces de sites e aplicativos Web estão se tornando complexas e sofisticadas, impactando diretamente na usabilidade dos mesmos. A dissertação de mestrado de Engenharia Elétrica ‘Identificação Automática de Perfis de Grupos de Usuários de Interface Web’, defendida pelo diretor de Tecnologia da Aspbrasil, Fernando de Medeiros D’Angelo, formado em Ciência da Computação, propõe a análise do comportamento dos usuários durante a utilização de interfaces web como forma de entender melhor essa interação.

Considerando que o sucesso ou o fracasso de sites e aplicativos Web estão diretamente relacionados com a facilidade e com a satisfação do usuário para a conclusão de um serviço ou localização de uma informação, o desenvolvimento de interfaces agradáveis e de fácil utilização torna-se importante. Outro fator apontado no estudo que justifica o desenvolvimento de interfaces Web com boa usabilidade é a diminuição de carga dos servidores, uma vez que os usuários concluem as tarefas em menor tempo e utilizam menos recursos do servidor, aumentando a desempenho e a eficiência deste.

O processo apresentado no estudo tem como objetivo identificar, de forma automática, grupos de usuários que possuem comportamentos semelhantes no uso de uma interface Web. Para tanto, foi desenvolvido um processo baseado em algoritmos de Inteligência Artificial que permite capturar as interações dos usuários em uma determinada interface Web, agrupar tais usuários, usando como critério a similaridade no uso da interface Web, e identificar as principais características comportamentais de cada grupo.

“Conseguimos identificar quais são as características mais relevantes para a diferenciação entre os grupos gerados e quais as características mais uniformes e mais dispersas entre os usuários de cada grupo. O processo auxilia o desenvolvimento de interfaces Web compatíveis e adaptadas às características do público alvo”, explica. O mestrando acredita que o processo definido na pesquisa atingiu os objetivos desejados e pode auxiliar especialistas em usabilidade no melhor entendimento do comportamento de navegação do usuário em interfaces Web.

_____________

Saiba mais sobre o Mestrado da FEI clicando aqui!

_____________

Matéria publicada na revista Domínio FEI – Nº18 (pág 40)

07 maio

Empreendedorismo no DNA

O local de trabalho lembra o amplamente difundido escritório do gigante Google, com um vão livre decorado com pufes coloridos, sofás, grafites nas paredes e escritórios abertos. No lugar da gravata, a calça jeans e os tênis são uma espécie de uniforme entre os jovens que circulam ali. Foi este o ambiente escolhido por Fernando Babadopulos, de 33 anos, graduado pela FEI em Ciência da computação em 2004, para instalar a sede de sua terceira empresa. O ex-aluno, que desde o ‘boom’ da internet no Brasil, em 1998, vem oferecendo serviços pioneiros ligados ao mundo digital, acaba de inaugurar a TailTarget, que chega para inovar mais uma vez ao trazer para o Brasil o primeiro serviço de segmentação de audiência on-line.

Embora o ambiente seja descontraído, o profissionalismo e a competência ficam evidentes quando o assunto é a trajetória profissional. Fernando Babadopulos começou a trabalhar com internet antes mesmo de ingressar no curso de Ciência da Computação. O ex-aluno acompanhou o crescimento da internet no Brasil e antecipou-se às profundas mudanças que esta nova ferramenta trouxe ao mundo dos negócios, quando as empresas de praticamente todos os setores, principalmente aquelas que atuam no varejo, viram-se obrigadas a repensar não só suas estratégias de propaganda e marketing, como também a maneira de administrar o negócio. Nascia ali uma nova demanda e o ex-aluno, atento às oportunidades, inaugurava seu primeiro negócio, que desenvolvia sistemas de gestão e administração de empresas.

No mesmo ano em que iniciou o curso de graduação, em 2000, vendeu grande parte de sua primeira empresa, que tem como foco o desenvolvimento de anúncios de carros na internet. Com a Carro e Cia, ativa até hoje, o então estudante conseguiu manter-se e arcar com as despesas da faculdade durante toda sua duração. Após alguns anos, já graduado, achou que era hora de aprimorar seus conhecimentos e buscar uma especialização e, assim, iniciou o mestrado em Engenharia da Informação. “Nesta área é muito importante estar sempre atualizado, pois as coisas mudam muito rápido e novas ferramentas e sistemas são constantemente necessários para atender às demandas do mercado”, afirma.

Em 2009, após acabar o mestrado, o profissional aceitou um convite da RBS, emissora da região sul do País afiliada à Rede Globo, para fazer parte de um projeto de expansão de seus negócios na área da internet. Fernando Babadopulos foi, durante dois anos, o responsável pela arquitetura e desenvolvimento de diversos produtos, utilizando metodologias ágeis e com foco na performance e escalabilidade. Não é coincidência o fato de que os principais empreendedores dos últimos anos estão, de alguma maneira, ligados ao mundo da tecnologia da informação. A área ainda é recente, o que permite um número muito maior de inovações. “Embora tenha optado por apostar novamente em meu perfil empreendedor neste momento, o mercado tradicional também é bastante promissor nesta área. Como sócio da TailTarget, estou em busca de profissionais qualificados e não está fácil preencher a vaga”, ressalta.

 

Inovadora

A TailTarget é uma empresa de dados, especializada na segmentação de audiência on-line, e disponibiliza ao mercado publicitário brasileiro a primeira plataforma de segmentação de audiência para campanhas on-line. O serviço possui alcance, em tempo real, de mais de 20 milhões de internautas, identifica suas preferências e os cataloga em clusters publicitários para entregas de campanhas on-line. Antes do lançamento, os anunciantes e as agências tinham duas opções para a compra de mídia on-line. O primeiro oferece segmentação, mas não garante volume de entrega; já o segundo entrega volume mas não agrega a melhor segmentação. “Conseguimos prover uma segmentação de audiência muito mais sofisticada e entregar a campanha on-line com muito mais precisão de acerto ao público alvo solicitado pelo cliente”, comemora o jovem empreendedor.

_____________

Matéria publicada na revista Domínio FEI – Nº14 (pág 17)

Curta nossa página no Facebook

Twitter