Laboratório de Manufatura da FEI recebe novos robôs Reviewed by Momizat on . Um dos diferenciais do Centro Universitário FEI está na infraestrutura de laboratórios da Instituição, considerada moderna e completa, onde os alunos têm a opor Um dos diferenciais do Centro Universitário FEI está na infraestrutura de laboratórios da Instituição, considerada moderna e completa, onde os alunos têm a opor Rating: 0

Laboratório de Manufatura da FEI recebe novos robôs

Um dos diferenciais do Centro Universitário FEI está na infraestrutura de laboratórios da Instituição, considerada moderna e completa, onde os alunos têm a oportunidade de vivenciar na prática situações do cotidiano da indústria. São investimentos constantes em novos laboratórios e equipamentos, com o objetivo de oferecer aos alunos plataformas inovadoras de estudo, acompanhando sempre as tendências do futuro e da indústria.

Recentemente a Instituição adquiriu três robôs da empresa KUKA AG – líder mundial na fabricação de robôs industriais – como parte do processo de modernização do laboratório de manufatura integrada. Além da aquisição, a Instituição também negociou com a empresa o empréstimo de um robô colaborativo, um equipamento avançado que pode trabalhar junto com o ser humano sem a necessidade de enclausuramento (como acontece com os robôs convencionais).

Todos os robôs adquiridos são comumente encontrados na indústria, o que, segundo o professor do Departamento de Engenharia de Produção da FEI e responsável pelos equipamentos, Fábio Lima, evidencia a preocupação da FEI em estar em constante modernização dos laboratórios. “O nosso objetivo é continuar no caminho de posicionar a FEI como Instituição atuante e formadora de recursos humanos qualificados para o novo cenário de manufatura avançada e alinhada com as tendências da indústria”, destacou.

Sobre os robôs, o professor Fábio Lima explica que os três que foram adquiridos são classificados como articulados e possuem vasta aplicação industrial. Uma delas, e a que é utilizada no laboratório, é a de manipulador, efetuando o transporte de peças. Segundo o professor, infelizmente a norma brasileira ainda não permite a utilização do robô colaborativo na sua total potencialidade.

Porém, uma das expectativas é colaborar com pesquisas que ajudem a redefinir a norma brasileira para a utilização desse robô no Brasil. “Eu estou orientando um trabalho de conclusão de curso que, utilizando as ferramentas de manufatura digital para simulação, pretende evidenciar as vantagens da utilização desse tipo de robô na indústria. O professor Alexandre Massote, também da Engenharia de Produção, está orientando uma dissertação de mestrado nesse tema. Portanto, a ideia é introduzir cada vez mais esse conceito de robótica colaborativa na FEI, que está inserido no ambiente de manufatura avançada ou indústria 4.0”, ressaltou Fabio Lima.

Os 3 novos robôs, bem como o Colaborativo já começaram a ser instalados para os testes.

 

InfoFEI - Informativo do Centro Universitário FEI