14 Nov

Equipe Robô FEI: campeã latino-americana em duas categorias.

23473090_1454765564591488_7546411942139650129_n

Entre os dias 7 e 11 de novembro, aconteceu em Curitiba – PR o LARC – Competição Latino Americana e Brasileira de Robótica. Durante os 5 dias, equipes de diversas universidades do País participaram com seus projetos de inteligência artificial. A equipe Robô FEI, que coleciona vitórias nos campeonatos que participa, conquistou mais dois troféus para sua estante.

Os FEIanos ficaram em primeiro lugar em duas categorias:

Humanoide: robô que joga futebol de forma autônoma

humanoide

@Home: a famosa e querida Judith, robô doméstico que tem como objetivo auxiliar nas funções dentro de casa.

Judith

Esse prêmio tem grande relevância, pois considera-se os vencedores como os melhores de toda a América do Sul. Com as vitórias, o robô humanoide da FEI é tri-campeão, e a Judith, Bi-campeã.

Aos alunos e professores, nosso sincero parabéns por toda dedicação e esforço.

A Equipe Robô FEI é formada por alunos da Graduação e Pós-Graduação, o que permite um intercâmbio de conhecimento muito rico. Conheça mais no vídeo abaixo:

Estude na FEI! Realize o Novo e faça parte de histórias de sucesso como essa. Clique aqui e inscreva-se

Vestibular

25 Oct

Uma dose de café e muito conhecimento, por favor ;)

cafe-quimica2-linkedin

Na última segunda-feira, 23 de outubro, uma manhã muito agradável e cheia de conhecimento marcou mais uma edição do Café com a Engenharia Química, onde alunos e professores da FEI receberam a palestrante Maria Cristina Nascimento, presidente da ABEQ – Associação Brasileira de Engenharia Química.

O objetivo desse encontro foi promover aos alunos um diálogo com o mercado de trabalho, sobretudo o papel do Engenheiro Químico no desenvolvimento de processos e produtos na indústria. A convidada, Maria Cristina, trouxe duas apresentações com diversos exemplos práticos sobre o tema, abrindo espaço para perguntas de todos os tipos.

usar blog 3

 Maria Cristina Nascimento

Presidente da ABEQ – Associação Brasileira de Engenharia Química

Os questionamentos mais comuns entre os estudantes foram sobre conquistar um emprego e como ser inovador para atender as demandas exigentes em um Engenheiro Químico. Apesar de ser uma área exata, Cristina afirma que é preciso ser inovador e criativo.

“O profissional que vai trabalhar em inovação tem que ser curioso, tem que querer entender melhor, saber melhor. Esse é o perfil. É um profissional que busca alternativas, que não se prende em estudar somente aquilo que lhe foi demandado. Ele também precisa conhecer além do espaço dele, como que o trabalho vai impactar os outros, além da flexibilidade e boa relação interpessoal”, comentou a palestrante.

0X9A0671

Segundo Cristina, as grandes empresas têm apostado muito em perfis jovens em suas equipes, justamente pela inovação das ideias, mas ao mesmo tempo, como um ponto de equilíbrio, sempre haverá dois ou três engenheiros mais experientes.

Essas palestras funcionam como uma janela para o amplo (e concorrido) mercado de trabalho. Mais que isso, os alunos percebem o valor de poderem conversar com profissionais expressivos sobre a área que estudam, como forma de influência nas decisões futuras sobre carreira.

A aluna do 7º ciclo de Engenharia Química, Caroline Alfredo da Silva, comenta: “Ajudou muito a ter uma noção de como funciona na prática, não só para mim, mas principalmente para o pessoal novo da Engenharia Química. Acho que a faculdade permite ter uma visão muito técnica de como o Engenheiro Químico trabalha, então eu acho primordial esse tipo de conversa, poder ter esse bate papo informal, a liberdade de saber como é o dia a dia e se é isso o que queremos para as nossas vidas”.

usar blog 2

O encontro terminou com diversas fotos para recordação, uma visita de Maria Cristina aos laboratórios de Engenharia Química da FEI e uma certeza: compartilhar conhecimento é sempre válido, melhor ainda quando acompanhado de um bom café!

Realize o Novo com a FEI! As inscrições para o Vestibular 2018 estão abertas.

Clique aqui e se inscreva

Vestibular

24 Oct

Ex-aluno FEI e Diretor no Gartner, Carlos Sapateiro fala sobre as mudanças no Mercado de Trabalho

Carlos Sapateiro Facebook

O curso de Engenharia da FEI traz uma diversidade de desafios aos estudantes. É preciso ter disciplina, comprometimento e muito esforço, além da persistência. Quando somados, esses fatores fazem a diferença no currículo e preparam o profissional para o seu principal desafio: o mercado de trabalho.

Hoje, trazemos para vocês uma entrevista inspiradora com o Engenheiro Eletricista Carlos Sapateiro, formado pela FEI, que atualmente ocupa o cargo de Diretor de Desenvolvimento de Negócios no Gartner, multinacional americana, líder global em Aconselhamento e Pesquisas de Mercado no Segmento de Tecnologia. Confira:

1  De forma resumida, conte-nos como foi sua formação na FEI e como a Instituição o apoiou em seus caminhos profissionais.

Carlos: “A FEI foi um divisor de águas em minha vida. Sou formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Eletrônica. A FEI é uma Instituição que lhe ensina para a vida. Ensina a se planejar e tomar decisões. A rigidez da FEI no seu compromisso com a educação e formação dos profissionais é muito séria e rica em conhecimento. Não aprendemos apenas os cálculos que fazem parte das grades curriculares da engenharia, a FEI nos ajuda a enfrentar problemas, a sermos resilientes e seguirmos em busca dos nossos sonhos. Até uma frustação com alguma nota que não tenha sido tão boa, hoje vejo que que isso só me deu robustez na vida corporativa para enfrentar com garra as negativas que temos em nosso dia a dia.”

2 – Você está no mercado de trabalho há mais de 20 anos. Para você, como as mudanças da sociedade, especialmente as tecnológicas, impactaram no dia a dia de um Engenheiro Eletricista?

Carlos: “Quando me formei, as Telecomunicações eram as áreas que mais demandavam profissionais da Engenharia Elétrica, tanto que meu início de carreira compus uma multinacional sueca de Telecomunicações, a Ericsson. A evolução tecnológica e o avanço da internet fizeram uma verdadeira revolução – e isso é extremamente importante para todos nós. Vejo o mercado e a evolução da tecnologia e da engenharia sempre a favor de todo segmento de mercado. Hoje tudo é conectado e móvel, a transformação digital é inevitável e faremos parte de toda essa mudança. A Inteligência Artificial e uso de robôs serão cada vez mais comuns em nosso dia a dia, isso será extremamente benéfico para toda a sociedade. Seremos todos impactados por estas mudanças e isso será maravilhoso. O engenheiro sempre estará acerca de toda essa transformação. Nosso papel consciente será de suma importância na orquestração destas evoluções.”

3 – Complementando a pergunta anterior, o que um profissional da área deve fazer para acompanhar essas mudanças ao longo dos anos?

Carlos: “Informação. A palavra chave sempre será ir em busca da informação. Ser curioso, ser perspicaz em busca e sede de conhecimento. Os profissionais deverão sempre se adaptar às mudanças. Ser um profissional resiliente também é uma forma de entender e tirar o melhor proveito de todas estas transformações. Hoje existem vários cursos de reciclagens, MBA/Pós-Graduação em temas voltados à TI/Evolução Tecnológica e Transformação Digital.

Carlos Sapateiro_5092Hoje estou no Gartner com a função de Diretor de Desenvolvimento de Negócios. O Gartner é uma multinacional americana, líder global em Aconselhamento e Pesquisas de Mercado no Segmento de Tecnologia. Entregamos aos nossos clientes os insights necessários para tomada de decisão, mitigando risco, diminuindo o tempo de tomada de decisão, otimizando investimentos. Minha responsabilidade é entender os principais desafios de negócio e de tecnologia dos clientes, alavancando melhores práticas de TI que os levem a superar seus resultados. Promovendo isso, a TI se transforma em um ativo estratégico fazendo com que as empresas se tornem mais competitivas enfrentando seus desafios de mercado.”

4 – Recentemente o Centro Universitário FEI realizou o Congresso de Inovação, um evento que tem como objetivo inserir os alunos da Instituição à realidade do mercado, principalmente sobre as mudanças do futuro. Na sua opinião, quais são as principais tendências na área de Engenharia Elétrica para os próximos anos?

Carlos – Excelente iniciativa da FEI, sempre pioneira na interação entre indústria e aluno. Não adianta formar profissionais teóricos. A FEI sempre zelou por formar profissionais prontos para o mercado de trabalho e estas interações com a realidade enaltece o conhecimento dos futuros engenheiros que se lançarão ao mercado. As principais tendências no nosso mercado serão: o Mundo Digital, a Inteligência Artificial (IA) e a Internet das Coisas (IoT). Alinhadas à conectividade e mobilidade, essas tendências serão os grandes “drivers” destas transformações.

5 – Para finalizar, qual dica você gostaria de deixar para os alunos que estão atrás de um estágio e/ou uma oportunidade de trabalho? Como se destacar no mercado?

Carlos – A dica que eu daria seria sempre se esforçar acreditando no seu maior sonho. Foi assim que deu certo comigo! Venho de família de classe média porem sempre quis fazer o melhor e acreditando que venceria.  Sejam persistentes e resilientes para cair e se levantar. A FEI é excelente para nos ensinar e nos fortalecer para os tombos que tomamos durante os anos de graduação dentro da Engenharia. Hoje com mais maturidade, vejo que fez toda a diferença para mim na minha vida profissional e pessoal. Sempre que posso divido isso com minhas equipes e pessoas que me cercam.

Sapateiro

Se motivou com essa entrevista? Realize o Novo com a FEI! As inscrições para o Vestibular 2018 estão abertas. Clique aqui e inscreva-se.

Vestibular

Curta nossa página no Facebook

Twitter