09 abr

Professor da FEI lança livro sobre sociologia das organizações

Livro Professor FEI_Linkedin

Uma das inúmeras vantagens dos alunos do Centro Universitário FEI é poder contar com professores, mestres e doutores que têm grande experiência no mercado de trabalho, com diversas atuações em empresas conceituadas, dentro e fora do País. As fronteiras desses conhecimentos se cruzam em sala de aula, promovendo um intercâmbio de conhecimento cada vez mais unificado e crescente. Indo além, é também um privilégio poder contar com livros escritos por esses professores da Instituição, que além de servir como exemplo aos alunos, acabam se tornando referência nacional (e internacional) pela inovação, visão crítica e espírito empreendedor, que juntos resumem o objetivo da FEI na formação dos alunos: torná-los protagonistas do seu próprio aprendizado.

Há cerca de um mês, o Professor Pedro Jaime, do Departamento de Administração da FEI, e o Professor Fred Lúcio, da ESPM, escreveram a obra: Sociologia das Organizações: conceitos, casos e relatos. Apesar de ser uma especialidade bem desenvolvida em muitos países, entre eles Estados Unidos, França e Inglaterra, a sociologia das organizações ainda é pouco conhecida no Brasil. A área estuda os aspectos sociais que influenciam a dinâmica da organização, como também oferece maior entendimento sobre os desafios que se colocam à prática da gestão. Em um mundo cada vez mais globalizado e diverso, a especialidade pode ser ferramenta estratégica para a mediação de conflitos e, consequentemente, o estabelecimento de melhores relações sociais dentro das empresas.

blog 3

O livro estabelece a relação entre a teoria sociológica e o cotidiano organizacional, tornando-se um guia para executivos e gestores utilizarem no dia a dia das organizações. “De forma simples, a sociologia das organizações contribui para uma gestão humana, com mais empatia. O gestor será capaz de fazer a leitura do ambiente, tanto interno quanto externo à organização, e poderá intervir de forma mais qualificada para solucionar possíveis conflitos que estejam acontecendo entre a empresas e seus múltiplos públicos de interesse. Ele/a também entenderá melhor a dinâmica das relações entre os indivíduos e grupos que compõem a organização, sejam funcionários, gerentes, ou dirigentes”, explica o professor Pedro Jaime.

A obra é fruto da experiência docente de duas décadas dos professores em faculdades de administração e escolas de negócios. “Sentíamos falta de um material que trouxesse discussões desses temas com a complexidade que marca o pensamento nas Ciências Sociais, mas, ao mesmo tempo, numa linguagem acessível e atraente tanto para os alunos de ensino superior, como para profissionais que atuam no mundo empresarial”, destaca Jaime.

blog 1

O livro pode ser encontrado nas principais livrarias do País. Vale investir em conhecimento!

Até o próximo post!

02 set

Fundamentais para a reciclagem

Apenas uma pequena parcela do lixo produzido no Brasil é seletivamente coletado, sendo a maior parte da reciclagem feita por catadores autônomos que têm uma atividade insalubre, baixa remuneração e nenhuma qualificação profissional, além de ser um grupo marginalizado pela sociedade. No entanto, essas pessoas são fundamentais para a cadeia produtiva da reciclagem em termos econômicos, ambientais e sociais. A cadeia de reciclagem no País pode ser comparada a uma pirâmide: na base está o catador independente, nos degraus acima, as cooperativas, os sucateiros, o reciclador que transforma os resíduos em matéria-prima e, por fim, as empresas que compram o material.

A importância dos catadores autônomos e dos catadores organizados para o funcionamento da cadeia de reciclagem brasileira é o ponto de discussão do livro ‘Cadeia de reciclagem: um olhar para os catadores’, de autoria do professor doutor Jacques Demajorovic, do Programa de Pós-graduação em Administração do Centro Universitário da FEI, e ilustrado com uma série de imagens feitas pela fotógrafa Márcia Lima. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que 1 milhão de indivíduos compõem o universo de catadores no Brasil, mas, deste total, só 10% são cooperados, de acordo com o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis. Os demais ficam à mercê dos intermediários, que pagam o valor que julgam melhor pelo material coletado.

“Os catadores são os que coletam a maior parte dos resíduos que entram na cadeia de reciclagem, mas os que recebem a menor parcela do valor gerado nessa cadeia”, revela o docente da FEI. No livro, o autor defende o trabalho nas cooperativas, que ajudam a transformar o catador independente, que não tem como negociar, em um cooperado com melhores condições de trabalho, maior quantidade coletada de resíduos e a possibilidade de vender diretamente para um intermediário ou para as empresas recicladoras, ganhando mais pelo produto comercializado. O docente afirma que, além de gerar renda, as cooperativas contribuem para a inclusão social dessa parcela da população.

Embora a reciclagem no Brasil seja retratada de forma eficiente – o País é recordista na coleta e reciclagem das latinhas de alumínio, com 98% de material reaproveitado –, essa realidade só é possível devido ao quadro de pobreza que permite que um grande contingente de trabalhadores faça o trabalho de coleta por um preço muito baixo. “Em países desenvolvidos, ao contrário do Brasil, é necessário contar com empresas privadas para a coleta de todos os resíduos recicláveis, pois não existem catadores que façam este trabalho em volume significativo”, enfatiza. Para o professor Jacques Demajorovic, o sucesso da reciclagem das latinhas de alumínio também é reflexo do valor que têm no mercado, por ser um material com alto valor agregado e que, para ser produzido, tem custo elevado de energia e geração de resíduos. No livro, o docente cita exemplos que comprovam como as cooperativas são importantes para dar melhores condições de trabalho aos catadores, bem como o papel dessas organizações em termos econômicos, ambientais e sociais.

Responsabilidade compartilhada

A Cooperativa Vira Lata foi inserida no fluxo de logística reversa de três grandes empresas. Em uma delas, a cooperativa é o elo entre a seguradora Porto Seguro, uma grande geradora de sucatas em suas oficinas, e a Gerdau, a maior indústria de siderurgia do País. Neste trabalho, os coletores retiram o material doado pela seguradora, separam e vendem para a siderúrgica. “Desta forma, os catadores conseguem um valor alto pelo produto, a seguradora não corre o risco de ter as peças destinadas ao mercado paralelo, além da certeza de que seus resíduos têm um destino ambientalmente correto, e a Gerdau recebe um material de qualidade”, enumera o docente.

Outra experiência de sucesso é o acordo fechado com a Diageo, maior empresa de bebidas alcoólicas do mundo, para a logística reversa das garrafas vazias. A Cooperativa Vira Lata retira os frascos nos locais indicados pela empresa, tritura em sua sede e vende a matéria-prima para a empresa recicladora que faz as novas garrafas da Diageo. Com isso, ocorre a chamada logística reversa em circuito fechado. “Além de contribuir ambientalmente, esse trabalho garante que as garrafas vazias não sejam utilizadas no mercado de bebidas falsificadas”, acrescenta o professor da FEI.

Essa iniciativa mostrou que, mesmo materiais antes deixados em segundo plano – como o vidro, que é pesado e tem baixo valor econômico –, quando trabalhado em grande quantidade pode ter um preço de venda elevado. Hoje, quase 20% da receita anual da Cooperativa Vira Lata está ligada às duas experiências, sendo 12% das sucatas e 8% do vidro. “Os casos demonstram o papel efetivo dos catadores e porque são importantes na cadeia produtiva da reciclagem. É um trabalho de responsabilidade compartilhada no qual a empresa, a cooperativa, o poder público e os cidadãos podem intervir para viabilizar um sistema mais justo, que gere mais inclusão social, melhor beneficio econômico, ambiental e social”, enfatiza o professor Jacques Demajorovic.

_____________

Matéria publicada na revista Domínio FEI – Nº19 (pág 36)

Curta nossa página no Facebook

Twitter