Blog da FEI Centro Universitário FEI | Indústria 4.0
22 maio

Qual será a atuação do Engenheiro de Produção na Indústria 4.0?

1 blog

Indústria 4.0, também conhecida como Quarta Revolução Industrial, são termos criados recentemente e que são bastante utilizados para abranger os avanços tecnológicos e processos cada vez mais integrados e eficientes na Indústria. Nesse contexto, o trabalho do Engenheiro de Produção mostra-se tão importante e necessário, já que é ele o profissional responsável por todos os processos produtivos de uma organização, desde o manuseio da matéria-prima, até a entrega do produto final. Além disso, o especialista em Engenharia de Produção precisa estar atualizado com as transformações tecnológicas e atento as tendências e inovações que a área passará, sempre pensando em maneiras de reduzir os custos e evitar desperdícios, considerando os aspectos ambientais, econômicos e sociais.

Diante de todas essas transformações, o coordenador do curso de Engenharia de Produção do Centro Universitário FEI, Prof. Dário Alliprandini, respondeu algumas perguntas sobre as tendências da área e de como deverá ser a atuação do Engenheiro de Produção em um cenário de inovação e digitalização da Indústria!

2 blog

Quais são as atuais áreas de atuação do Engenheiro de Produção?

Dario Alliprandini: “O Engenheiro de Produção atua tanto na Indústria – como fábricas e montadoras – quanto na área de serviços, por exemplo, em empresas de consultoria, bancos e hospitais. As atividades principais são: planejamento, logística, engenharia da sustentabilidade, controle e melhoria de processos, gestão da qualidade, análise de risco, manufatura digital, simulação de cenários de processos e de negócios e gestão da tecnologia.”

Qual será o futuro da profissão no contexto da Indústria 4.0?

Dario Alliprandini: “O engenheiro de produção tem uma formação multidisciplinar e, por isso, é preparado para entender os diferentes processos de organizações de diversas áreas. O desafio para o futuro da profissão é desenvolver projetos que façam a conexão e a integração desses processos, incluindo as áreas de fabricação, fornecedores, distribuição, seleção de tecnologias, em um ambiente de Indústria 4.0. O engenheiro de produção vai atuar fortemente nesse ambiente, desenvolvendo projetos para integrar e inserir inteligência nos processos.”

Quais competências ele deverá desenvolver?

Dario Alliprandini: “Capacidade de analisar informações e dados relacionados a diferentes processos e sistemas; habilidade de comunicação para lidar com diferentes ambientes culturais e tecnológicos; domínio dos métodos de modelagem, análise e projeto de sistemas de produção; capacidade de aprendizagem para encarar os desafios organizacionais e as novas tecnologias; e ter conduta ética e humanista para garantir a harmonia de seus projetos com a construção de uma sociedade íntegra e justa.”

Quais são os diferenciais do curso de Engenharia de Produção da FEI?

Dario Alliprandini: “Alta empregabilidade! O curso de Engenharia de Produção da FEI foi o segundo a ser criado no País e, desde então, vem acompanhando o desenvolvimento das empresas, suas necessidades e busca pela inovação. Há uma relação muito próxima com o ambiente empresarial e os caminhos que o curso segue de atualização curricular, de laboratórios e em projetos de pesquisa têm alinhamento com o momento atual e futuro. Há projetos aplicados que são desenvolvidos pelos alunos com empresas parceiras, laboratórios modernos como os de manufatura digital e de manufatura integrada. Os alunos podem participar de pesquisas de iniciação científica que estão alinhadas aos projetos de mestrado e doutorado. Também há possibilidade de dupla diplomação com instituições da França e dos Estados Unidos, e a integração tanto social como em projetos com alunos de outras modalidades da Engenharia, da Computação e da Administração.”

Para um aluno que está interessado em cursar Engenharia de Produção, que dica o senhor daria?

Dario Alliprandini: “A aptidão deve ser o fator predominante na decisão por uma carreira. Para os que gostam de uma vida dinâmica e com muitas possibilidades profissionais, a Engenharia de Produção pode ser uma boa escolha. O profissional terá possibilidades de atuação em muitas áreas, o que garante alta empregabilidade e evolução na carreira de forma dinâmica.”

Vestiba

Vestibular do meio do ano

Até às 18h de 6 de junho, as inscrições estão abertas para o vestibular do meio do ano do Centro Universitário FEI. Os candidatos poderão inscrever-se para os cursos de Administração, Ciência da Computação e oito Engenharias: Automação e Controle, Civil, Elétrica, Materiais, Mecânica, Produção, Química e Têxtil. A FEI conta com dois campi, um em São Bernardo do Campo (SP), com todos os cursos, e outro na capital paulista, dedicado ao curso de Administração. A prova será aplicada em 16 de junho, com divulgação do gabarito no mesmo dia. Para outras informações, acesse www.fei.edu.br

Serviço – Vestibular 2018.2

Inscrições: Até 06/06

Taxa: R$ 90 pela internet e R$ 110 presencial
Cursos: Administração, Ciência da Computação, Engenharia Civil, Engenharia de Automação e Controle, Engenharia de Materiais, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Química e Engenharia Têxtil.
Data da prova: 16/06
Endereço: Campus São Bernardo do Campo –
Av. Humberto de Alencar Castelo Branco, 3.972-B – Assunção, São Bernardo do Campo – SP.
Campus São Paulo – Rua Tamandaré, 688 – Liberdade, São Paulo – SP

27 abr

FEI na FEIMEC 2018

6

Promover um ensino de qualidade, alinhado às demandas do mercado de trabalho, só é possível porque a FEI está constantemente atualizada com as mudanças do setor, inovações e tendências. Além das pesquisas e estudos realizados na Instituição, é preciso que professores e alunos sejam levados além do campus, tendo contato real com a indústria e todo o cenário mundial que fazem parte do cotidiano de profissionais da área.

A FEIMEC – Feira Internacional de Máquinas e Equpamentos, reuniu entre os dias 24 e 28 de abril, grandes marcas da indústria e suas inovações, conceitos e, principalmente, tendências para as próximas décadas. Sempre atenta, a FEI marcou presença no evento promovendo um diálogo entre alunos, professores e todos os profissionais presentes.

Em uma área chamada “Parque de Ideias”, um estande da FEI foi montado para apresentação de alguns trabalhos desenvolvidos por alunos e, também palestras com professores. Uma via de mão dupla que condiz totalmente com o DNA do Centro Universitário FEI desde sua criação: apoiar o desenvolvimento tecnológico e ser referência no País.

2

Em entrevista, o professor do curso de Engenharia de Produção da FEI, Alexandre Massote, comentou: “A FEI surgiu justamente para dar apoio ao desenvolvimento industrial, principalmente do Estado de São Paulo. Essa feira é uma ótima oportunidade para a FEI, de cada vez mais ficar perto dessas empresas. Os alunos serão futuros Engenheiros que trabalharão para as pessoas que estão expondo aqui”.

A todos que passavam pelo estande, uma curiosidade em comum: o veículo Fórmula FEI. Projetado por alunos de diversas Engenharias, como mecânica e elétrica, os estudantes levaram os dois modelos de carros que competem em níveis nacional e internacional. O primeiro apresentado foi o Fórmula Combustão, que para 2018 traz a injeção programável como novidade, além de muitas outras. E também o Fórmula Elétrico, que está alinhado a grande tendência dos veículos movidos à bateria. Um ponto interessante na exposição de projetos de alunos foi o Projeto SAMPE, da Engenharia de Materiais. O objetivo deste trabalho é construir pontes com um material leve, mas que suporta grandes pesos. Esse material foi utilizado no Design do veículo Fórmula, como estratégia para garantir uma melhor performance de velocidade no carro.

1

Enquanto os alunos trocavam conhecimentos com os visitantes, os professores palestravam para o público sobre o papel da FEI no desenvolvimento tecnológico do País. O professor Flavio Tonidanel, coordenador do curso de Ciência da Computação da FEI, apresentou sobre o futuro dos robôs inteligentes e como eles já são realidade no dia a dia de muitas pessoas. Os professores Fábio Lima, Alexandre Massote e Rodrigo Filev, dos cursos de Engenharia de Produção e Ciência da Computação, dialogaram sobre a Indústria 4.0 e como a FEI está inserida neste contexto.

3

Para o professor Alexandre Massote, essa troca de conhecimentos entre a FEI e a indústria é fundamental: “A palavra chave para o crescimento chama-se “Colaboração e Compartilhamento”. Então, a escola tem que compartilhar com a indústria aquilo que ela desenvolve. Por outro lado, as empresas têm que compartilhar com a escola no foco e na definição dos problemas”.

Veja mais destaques do evento no vídeo abaixo:

Faça parte desse mundo de inovação e desenvolvimento tecnológico com a FEI! As inscrições para o Vestibular estão abertas. Clique aqui e inscreva-se!

Até o próximo post 😉

09 mar

Impactos da Digitalização e Indústria 4.0

IPEI in Foco

Com o propósito de manter os alunos do Centro Universitário FEI alinhados às demandas e megatendências do mercado, mais uma edição do IPEI in Foco, ciclo de palestras sobre inovação, foi realizado na última quarta-feira, 7 de março.

Na ocasião, dois grandes líderes da Atlas Schindler, formados em Engenharia pela FEI, conduziram uma palestra sobre os Impactos da Digitalização nos processos e na vida de um Engenheiro. Na verdade, mais que o título, sabe-se que a Digitalização, Internet da Coisas e Indústria 4.0, já têm transformado toda a sociedade e seus hábitos. E as mudanças vão continuar. O mundo tende a se tornar um lugar cada vez mais conectado.

2

Fabio Mezzarani, Head de Operações para Américas da Schindler, comenta: “No dia a dia a gente já interage bastante através dos Smartphones e Computadores. Mas os eletrodomésticos, equipamentos industriais, elevadores e escadas rolantes, tudo isso estará conectado. Então, é um mundo totalmente integrado onde teremos mais flexibilidade e transparência nas atividades em geral”.

Conectada à esta realidade também está a formação dos alunos FEIanos, haja vista que, de acordo com a Plataforma de Inovação, um dos objetivos da Instituição é formar profissionais que serão protagonistas das mudanças do futuro. De acordo com Flávio Silva, presidente da Atlas Schindler, o estudante hoje tem que ser estudante sempre, para acompanhar e fazer parte dessas mudanças. “O estudante deve continuar nessa vertente de resiliência, de se adaptar às condições socioeconômicas que o mercado vai oferecer”, completa o executivo.

Assista no vídeo abaixo a entrevista completa feita durante o evento:

Até o próximo post 😉

01 set

FEI é referência em workshop da Indústria 4.0

3

No último dia 22 de agosto, em São Caetano do Sul, um workshop sobre a Indústria 4.0, chamado Tipping Point Talks, foi realizado pela empresa SPI, fornecedora de projetos voltados a aumento da produtividade e tecnologia.

A discussão teve como propósito provocar a reflexão entre profissionais, como engenheiros e técnicos, sobre as inovações da 4ª Revolução Industrial e seus principais desafios.

2

Entre os palestrantes deste workshop, grandes nomes de indústrias e montadoras, como a General Motors e Siemens, estava o Professor Dr. Fábio do Prado, Reitor do Centro Universitário FEI, como único representante da classe acadêmica. O objetivo da palestra do Reitor foi apresentar o plano de inovação da FEI e como a Instituição está preparando os profissionais, que em poucos anos, entrarão no mercado de trabalho repleto de mudanças.

Assista no vídeo abaixo o depoimento do Reitor, sobre a importância da FEI em participar de um evento como este:

Curta nossa página no Facebook

Twitter