24 Oct

Ex-aluno FEI e Diretor no Gartner, Carlos Sapateiro fala sobre as mudanças no Mercado de Trabalho

Carlos Sapateiro Facebook

O curso de Engenharia da FEI traz uma diversidade de desafios aos estudantes. É preciso ter disciplina, comprometimento e muito esforço, além da persistência. Quando somados, esses fatores fazem a diferença no currículo e preparam o profissional para o seu principal desafio: o mercado de trabalho.

Hoje, trazemos para vocês uma entrevista inspiradora com o Engenheiro Eletricista Carlos Sapateiro, formado pela FEI, que atualmente ocupa o cargo de Diretor de Desenvolvimento de Negócios no Gartner, multinacional americana, líder global em Aconselhamento e Pesquisas de Mercado no Segmento de Tecnologia. Confira:

1  De forma resumida, conte-nos como foi sua formação na FEI e como a Instituição o apoiou em seus caminhos profissionais.

Carlos: “A FEI foi um divisor de águas em minha vida. Sou formado em Engenharia Elétrica com ênfase em Eletrônica. A FEI é uma Instituição que lhe ensina para a vida. Ensina a se planejar e tomar decisões. A rigidez da FEI no seu compromisso com a educação e formação dos profissionais é muito séria e rica em conhecimento. Não aprendemos apenas os cálculos que fazem parte das grades curriculares da engenharia, a FEI nos ajuda a enfrentar problemas, a sermos resilientes e seguirmos em busca dos nossos sonhos. Até uma frustação com alguma nota que não tenha sido tão boa, hoje vejo que que isso só me deu robustez na vida corporativa para enfrentar com garra as negativas que temos em nosso dia a dia.”

2 – Você está no mercado de trabalho há mais de 20 anos. Para você, como as mudanças da sociedade, especialmente as tecnológicas, impactaram no dia a dia de um Engenheiro Eletricista?

Carlos: “Quando me formei, as Telecomunicações eram as áreas que mais demandavam profissionais da Engenharia Elétrica, tanto que meu início de carreira compus uma multinacional sueca de Telecomunicações, a Ericsson. A evolução tecnológica e o avanço da internet fizeram uma verdadeira revolução – e isso é extremamente importante para todos nós. Vejo o mercado e a evolução da tecnologia e da engenharia sempre a favor de todo segmento de mercado. Hoje tudo é conectado e móvel, a transformação digital é inevitável e faremos parte de toda essa mudança. A Inteligência Artificial e uso de robôs serão cada vez mais comuns em nosso dia a dia, isso será extremamente benéfico para toda a sociedade. Seremos todos impactados por estas mudanças e isso será maravilhoso. O engenheiro sempre estará acerca de toda essa transformação. Nosso papel consciente será de suma importância na orquestração destas evoluções.”

3 – Complementando a pergunta anterior, o que um profissional da área deve fazer para acompanhar essas mudanças ao longo dos anos?

Carlos: “Informação. A palavra chave sempre será ir em busca da informação. Ser curioso, ser perspicaz em busca e sede de conhecimento. Os profissionais deverão sempre se adaptar às mudanças. Ser um profissional resiliente também é uma forma de entender e tirar o melhor proveito de todas estas transformações. Hoje existem vários cursos de reciclagens, MBA/Pós-Graduação em temas voltados à TI/Evolução Tecnológica e Transformação Digital.

Carlos Sapateiro_5092Hoje estou no Gartner com a função de Diretor de Desenvolvimento de Negócios. O Gartner é uma multinacional americana, líder global em Aconselhamento e Pesquisas de Mercado no Segmento de Tecnologia. Entregamos aos nossos clientes os insights necessários para tomada de decisão, mitigando risco, diminuindo o tempo de tomada de decisão, otimizando investimentos. Minha responsabilidade é entender os principais desafios de negócio e de tecnologia dos clientes, alavancando melhores práticas de TI que os levem a superar seus resultados. Promovendo isso, a TI se transforma em um ativo estratégico fazendo com que as empresas se tornem mais competitivas enfrentando seus desafios de mercado.”

4 – Recentemente o Centro Universitário FEI realizou o Congresso de Inovação, um evento que tem como objetivo inserir os alunos da Instituição à realidade do mercado, principalmente sobre as mudanças do futuro. Na sua opinião, quais são as principais tendências na área de Engenharia Elétrica para os próximos anos?

Carlos – Excelente iniciativa da FEI, sempre pioneira na interação entre indústria e aluno. Não adianta formar profissionais teóricos. A FEI sempre zelou por formar profissionais prontos para o mercado de trabalho e estas interações com a realidade enaltece o conhecimento dos futuros engenheiros que se lançarão ao mercado. As principais tendências no nosso mercado serão: o Mundo Digital, a Inteligência Artificial (IA) e a Internet das Coisas (IoT). Alinhadas à conectividade e mobilidade, essas tendências serão os grandes “drivers” destas transformações.

5 – Para finalizar, qual dica você gostaria de deixar para os alunos que estão atrás de um estágio e/ou uma oportunidade de trabalho? Como se destacar no mercado?

Carlos – A dica que eu daria seria sempre se esforçar acreditando no seu maior sonho. Foi assim que deu certo comigo! Venho de família de classe média porem sempre quis fazer o melhor e acreditando que venceria.  Sejam persistentes e resilientes para cair e se levantar. A FEI é excelente para nos ensinar e nos fortalecer para os tombos que tomamos durante os anos de graduação dentro da Engenharia. Hoje com mais maturidade, vejo que fez toda a diferença para mim na minha vida profissional e pessoal. Sempre que posso divido isso com minhas equipes e pessoas que me cercam.

Sapateiro

Se motivou com essa entrevista? Realize o Novo com a FEI! As inscrições para o Vestibular 2018 estão abertas. Clique aqui e inscreva-se.

Vestibular

Curta nossa página no Facebook

Twitter