03 jul

Olimpíada Brasileira de Robótica na FEI

5

Nos dias 29 e 30 de junho, o Centro Universitário FEI sediou a etapa regional da OBR – Olímpiada Brasileira de Robótica. O evento é destinado a alunos do ensino fundamental e médio, que reunidos em equipes em nome de suas escolas, projetam, desenvolvem, programam e competem entre si com robôs autônomos. Apesar da pontuação e seleção dos melhores times para a etapa seguinte do torneio, o principal objetivo da OBR é incentivar esses jovens a conhecerem e praticarem o mundo da inteligência artificial.

A maioria das equipes começa a projetar seus robôs aproximadamente um ano antes do torneio. É um desafio multidisciplinar, afinal, o projeto envolve diversas disciplinas, como: programação, matemática, física e até design automotivo, para construção de um modelo robusto com melhor desempenho durante a utilização.

2

Aos 17 anos, Breno Gomes é aluno do Instituto Alpah Lumen e está participando da OBR pela segunda vez. Para ele, a experiência é única e traz ótimas noções de trabalho em equipe, característica fundamental em qualquer profissional da atualidade. “É uma experiência que faz você crescer bastante, tanto na programação quanto na robótica e, também, em trabalho em equipe.”, completa o aluno.

Para Ana Clara Alves, aluna do Instituto Federal de São Paulo, a experiência teve um gosto especial, pois essa foi a primeira vez da estudante na competição. “Foi uma experiência muito inovadora e boa. Eu vim em busca de conhecimento e acho que consegui. Espero melhorar para o ano que vem.”

1

Diante deste cenário, nada melhor do que uma Instituição como a FEI, referência em robótica no Brasil e no mundo, para servir de casa à competição. Esses estudantes têm contato direto com o ambiente universitário e também com a própria equipe Robô FEI, uma das principais do País. As equipes vencedoras competirão, em setembro, na etapa estadual da OBR.

Veja mais no vídeo abaixo:

22 jun

Apresentações de TCCs marcam fim de semestre na FEI

3

O final de semestre é muito expressivo para os estudantes da FEI. Além das provas P2 e P3, os alunos que estão concluindo o curso têm mais um desafio em mãos: o famoso TCC. O Trabalho de Conclusão de Curso é muito aguardado, afinal, a maioria dos grupos começa a desenvolver os seus projetos cerca de um ano antes, passando por todos os detalhes de planejamento, cálculos, viabilização e patrocínios.

Dentre todas as ideias, um detalhe em comum: inovação. O Centro Universitário FEI, Instituição tradicional que visa formar profissionais qualificados, incentiva sempre seus alunos a criarem soluções que trazem benefícios mútuos à sociedade, garantindo assim uma melhor qualidade de vida a todos. Um dos cursos mais tradicionais da Instituição, Engenharia Mecânica, promove duas noites de apresentações dos Projetos de Conclusão de Curso, com a presença de diversos profissionais do setor. Acesse este link e veja como foram as ExpoMecAut e ExpoMecPlena.

Para Engenharias de Materiais, área muito importante e totalmente integrada com as outras Engenharias, os projetos individuais dos alunos também são apresentados em um auditório. Veja destaques no vídeo abaixo:

Quando falamos em inovação e visão de futuro, encontramos com a Feira de Empreendedorismo, organizada pelo curso de Administração do campus São Paulo. Muito se engana quem pensa que só encontra teoria neste curso. Na verdade, as transformações tecnológicas acabaram se tornando grandes aliados de qualquer área do conhecimento.

E, claro, para fechar todo esse ciclo, o INOVA FEI, evento que reúne os TCC’s dos alunos de Engenharias Civil, Química, Têxtil, Produção, Automação e Controle, Elétrica e também do curso de Ciência da Computação. No vídeo abaixo, você pode conferir os destaques das apresentações.

Agora formados, esses novos Engenheiros e profissionais da Tecnologia da Informação, têm o desafio de continuar criando e transformando. Um dos diversos objetivos da Plataforma de Inovação da FEI, justamente, é colocar o aluno como protagonista de seu próprio aprendizado. As tendências e mudanças dos próximos anos já estão por aí, aguardando que estes profissionais as conduzam da melhor forma, rumo ao sucesso e evolução do País. Para isso, a busca por conhecimento não deve cessar.

Muito sucesso a todos e até o próximo post 😉

22 maio

Qual será a atuação do Engenheiro de Produção na Indústria 4.0?

1 blog

Indústria 4.0, também conhecida como Quarta Revolução Industrial, são termos criados recentemente e que são bastante utilizados para abranger os avanços tecnológicos e processos cada vez mais integrados e eficientes na Indústria. Nesse contexto, o trabalho do Engenheiro de Produção mostra-se tão importante e necessário, já que é ele o profissional responsável por todos os processos produtivos de uma organização, desde o manuseio da matéria-prima, até a entrega do produto final. Além disso, o especialista em Engenharia de Produção precisa estar atualizado com as transformações tecnológicas e atento as tendências e inovações que a área passará, sempre pensando em maneiras de reduzir os custos e evitar desperdícios, considerando os aspectos ambientais, econômicos e sociais.

Diante de todas essas transformações, o coordenador do curso de Engenharia de Produção do Centro Universitário FEI, Prof. Dário Alliprandini, respondeu algumas perguntas sobre as tendências da área e de como deverá ser a atuação do Engenheiro de Produção em um cenário de inovação e digitalização da Indústria!

2 blog

Quais são as atuais áreas de atuação do Engenheiro de Produção?

Dario Alliprandini: “O Engenheiro de Produção atua tanto na Indústria – como fábricas e montadoras – quanto na área de serviços, por exemplo, em empresas de consultoria, bancos e hospitais. As atividades principais são: planejamento, logística, engenharia da sustentabilidade, controle e melhoria de processos, gestão da qualidade, análise de risco, manufatura digital, simulação de cenários de processos e de negócios e gestão da tecnologia.”

Qual será o futuro da profissão no contexto da Indústria 4.0?

Dario Alliprandini: “O engenheiro de produção tem uma formação multidisciplinar e, por isso, é preparado para entender os diferentes processos de organizações de diversas áreas. O desafio para o futuro da profissão é desenvolver projetos que façam a conexão e a integração desses processos, incluindo as áreas de fabricação, fornecedores, distribuição, seleção de tecnologias, em um ambiente de Indústria 4.0. O engenheiro de produção vai atuar fortemente nesse ambiente, desenvolvendo projetos para integrar e inserir inteligência nos processos.”

Quais competências ele deverá desenvolver?

Dario Alliprandini: “Capacidade de analisar informações e dados relacionados a diferentes processos e sistemas; habilidade de comunicação para lidar com diferentes ambientes culturais e tecnológicos; domínio dos métodos de modelagem, análise e projeto de sistemas de produção; capacidade de aprendizagem para encarar os desafios organizacionais e as novas tecnologias; e ter conduta ética e humanista para garantir a harmonia de seus projetos com a construção de uma sociedade íntegra e justa.”

Quais são os diferenciais do curso de Engenharia de Produção da FEI?

Dario Alliprandini: “Alta empregabilidade! O curso de Engenharia de Produção da FEI foi o segundo a ser criado no País e, desde então, vem acompanhando o desenvolvimento das empresas, suas necessidades e busca pela inovação. Há uma relação muito próxima com o ambiente empresarial e os caminhos que o curso segue de atualização curricular, de laboratórios e em projetos de pesquisa têm alinhamento com o momento atual e futuro. Há projetos aplicados que são desenvolvidos pelos alunos com empresas parceiras, laboratórios modernos como os de manufatura digital e de manufatura integrada. Os alunos podem participar de pesquisas de iniciação científica que estão alinhadas aos projetos de mestrado e doutorado. Também há possibilidade de dupla diplomação com instituições da França e dos Estados Unidos, e a integração tanto social como em projetos com alunos de outras modalidades da Engenharia, da Computação e da Administração.”

Para um aluno que está interessado em cursar Engenharia de Produção, que dica o senhor daria?

Dario Alliprandini: “A aptidão deve ser o fator predominante na decisão por uma carreira. Para os que gostam de uma vida dinâmica e com muitas possibilidades profissionais, a Engenharia de Produção pode ser uma boa escolha. O profissional terá possibilidades de atuação em muitas áreas, o que garante alta empregabilidade e evolução na carreira de forma dinâmica.”

Vestiba

Vestibular do meio do ano

Até às 18h de 6 de junho, as inscrições estão abertas para o vestibular do meio do ano do Centro Universitário FEI. Os candidatos poderão inscrever-se para os cursos de Administração, Ciência da Computação e oito Engenharias: Automação e Controle, Civil, Elétrica, Materiais, Mecânica, Produção, Química e Têxtil. A FEI conta com dois campi, um em São Bernardo do Campo (SP), com todos os cursos, e outro na capital paulista, dedicado ao curso de Administração. A prova será aplicada em 16 de junho, com divulgação do gabarito no mesmo dia. Para outras informações, acesse www.fei.edu.br

Serviço – Vestibular 2018.2

Inscrições: Até 06/06

Taxa: R$ 90 pela internet e R$ 110 presencial
Cursos: Administração, Ciência da Computação, Engenharia Civil, Engenharia de Automação e Controle, Engenharia de Materiais, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Química e Engenharia Têxtil.
Data da prova: 16/06
Endereço: Campus São Bernardo do Campo –
Av. Humberto de Alencar Castelo Branco, 3.972-B – Assunção, São Bernardo do Campo – SP.
Campus São Paulo – Rua Tamandaré, 688 – Liberdade, São Paulo – SP

23 abr

O Desafio do Engenheiro na Indústria

Palestra o Desafio do Engenheiro na Industria

Formado pela FEI em 1997, Marcos Vinicius Teixeira é atualmente Gerente de Qualidade na FCA – Fiat Chrysler Automobiles, além de ser membro representativo da SAE, Sociedade de Engenheiros Automotivos. Além da vasta experiência que o engenheiro traz em seu currículo, uma delas é especial para a FEI: Marcos foi o primeiro capitão da Equipe FEI Baja, que hoje figura entre as melhores equipes do mundo na competição.

Em um clima descontraído mesclado com nostalgia, o engenheiro FEIano esteve na Instituição na última sexta-feira, 20 de abril, para ministrar uma palestra aos alunos sobre os principais desafios de um (a) engenheiro (a) na indústria e como as mudanças das próximas décadas vão impactar na formação profissional de cada um deles.

Confira no vídeo abaixo os principais destaques e, também, o depoimento do palestrante:

Sobre ter participado como idealizador do projeto FEI Baja, Marco Vinicius comenta: “Me ensinou uma série de coisas. Me ensinou a colaboração, me ensinou como é difícil compor um time, como conversar com as empresas para poder viabilizar o projeto. É uma série de coisas que eu carrego até hoje, me formou como profissional”

Faça parte também deste universo de inovação e evolução. As inscrições para o Vestibular do Meio do Ano da FEI estão abertas. Clique aqui e faça a sua inscrição.

Até o próximo post 😉

 

25 maio

Dicas para se dar bem no ENEM e usar sua nota para entrar na FEI

O Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM) é composto por quatro provas objetivas e por uma redação. As provas objetivas são realizadas em dois dias e cada uma contém 45 questões de múltipla escolha. No sábado, são realizadas as provas de Ciências humanas e suas tecnologias e de Ciências da natureza e suas tecnologias com 4h30min de duração. No domingo, é dia das provas de Linguagens, códigos e suas tecnologias e de Matemática e suas tecnologias. A redação é realizada no domingo e por este motivo o exame de domingo tem duração de 5h30min.

Atualmente, as provas do ENEM estão muito parecidas com as provas de vestibulares tradicionais e exigem interpretação de texto, raciocínio lógico, conhecimentos específicos sobre os diversos componentes curriculares e capacidade de argumentação e de expressão (na redação). A preparação para a redação do ENEM exige que o participante leia muito, se informe sobre as notícias e reflita e argumente sobre elas na forma escrita, sempre que possível.

Dicas para estudar e aprender:

 

  • Comece agora. Aprendizagem exige tempo.

 

  • Aprendizagem é mais profunda e mais durável quando a situação de aprendizagem exige esforço. Se está parecendo muito fácil, é provável que você não esteja aprendendo de verdade, mas apenas sofrendo da ilusão da aprendizagem.

 

  • Puxar da memória fatos, conceitos e técnicas torna a aprendizagem mais duradoura.

 

  • Prática espaçada, intercalada e variada é mais eficaz para a aprendizagem a longo prazo do que a prática de um único assunto por longos intervalos de tempo.

 

  • Tentar resolver um problema antes que a solução seja ensinada leva a uma aprendizagem superior, mesmo que erros sejam cometidos no caminho.

 

  • Aprendizagem é melhor quando o aprendiz emprega suas múltiplas inteligências em vez de ficar confinado ao estilo de aprendizagem com o qual se sente mais confortável.

 

  • Tentar identificar princípios gerais é mais importante para a aprendizagem do que tentar colecionar as soluções a diversos tipos de problemas.

 

  • É importante se testar com regularidade para identificar fraquezas.

 

  • Toda aprendizagem requer uma fundação de conhecimento prévio. Se você está com dificuldade para enteder algum conteúdo, pode ser necessário voltar às bases que sustentam este conhecimento.

 

  • Atribuir significado ao novo material ao expressá-lo em suas próprias palavras (elaboração), relacionar o novo material com conhecimento já adquirido e colocar o novo material em um contexto mais geral são três processos que auxiliam a aprendizagem.

 

  • Organizar as idéias-chave do novo material em modelos mentais e relacionar estes modelos mentais com o conhecimento já adquirido permite aprendizagem de assuntos complexos.

iStock_000008431480Medium

Dicas para os dias das provas:

 

  • Prepare o material necessário
    • Caneta esferográfica preta fabricada em material transparente é o único instrumento de escrita aceito no ENEM.
    • Documento original de identificação dentro do prazo de validade.
    • Água e um lanchinho leve, mas não exagere, pois você não vai querer perder preciosos minutos de prova indo ao banheiro ou ficando sonolento.

 

  • Saiba onde vai fazer sua prova e chegue com antecedência ao local
    • Cuidado com o despertador (é bom ter um de reserva).
    • Cuidado com o trânsito (conheça o caminho e programe-se para chegar 30 minutos antes do horário de abertura dos portões).

 

  • Mantenha-se relaxado e concentrado
    • Evite aglomerações e agitações na frente do prédio ou na frente da sala: agitação libera epinefrina (adrenalina), que bloqueia a memória e o raciocínio no cérebro (“deu branco”).
    • Evite aquela revisão de última hora: você só vai ficar nervoso.
    • Evite conversar demais nos minutos que antecedem o início da prova: é hora de se concentrar.
    • Respirar profundamente, usando o diafragma e a musculatura do abdome, por 1 minuto ajuda a relaxar e a ficar concentrado (não, não é uma contradição).
    • Use uma roupa confortável, que não vá fazê-lo passar calor ou frio, nem aperte demais nem … bom, você entendeu.

 

  • Use o tempo a seu favor
    • Em média, você terá entre 2 e 3 minutos para cada questão, já reservando 20 minutos para o preenchimento do cartão de respostas e 1 hora para a redação.
    • Há um procedimento simples para resolver as provas objetivas de forma eficaz (mas não é milagre, você precisar ter estudado ao longo do ano):
      1. No caderno de questões, se tiver certeza da resposta de uma questão, marque-a claramente para não precisar mais voltar à questão; se tiver dúvida entre duas ou três alternativas, indique-as para voltar à questão posteriormente e decidir; se não tiver ideia da resposta correta, marque a questão com um ponto de interrogação.
      2. Volte às questões em que você tem dúvida e às questões em que você não tem ideia da resposta. Se conseguiu descobrir a resposta correta nesta segunda leitura, marque-a; se está em dúvida entre duas ou três alternativas, indique-as. Aidna não tem ideia da resposta? Deixe o ponto de interrogação.
      3. Faça uma pausa breve, se alongue, relaxe os músculos, faça um lanchinho ou vá ao banheiro.
      4. Repita o passo 2. É possível que mesmo assim ainda tenham sobrado questões em que você tem dúvida entre duas ou mais alternativas e, com sorte, poucas questões em que você não tem ideia sobre qual seria a resposta correta, mas agora é hora de preencher o cartão de respostas.
      5. Transcreva suas respostas para o cartão de respostas; em caso de dúvida sobre a resposta correta, você terá de “chutar,” mas não deixe nenhuma questão sem resposta.
      6. Tome cuidado para não anular uma questão marcando duas respostas para a mesma questão em seu cartão de respostas.

 

    • No caso da redação:
      1. Leia todos os textos de apoio. Eles não estão lá para ocupar espaço na página.
      2. Aproveite e destaque as informações que avaliou como importantes nos textos de apoio, mas não copie trechos deles em sua redação (isso é plágio e você receberá nota zero). Você pode, porém, citar dados dos textos de apoio em sua redação.
      3. Não fuja do tema nem banque o engraçadinho (hino de time de futebol, receita de bolo, protesto partidário ou similares em sua redação). O resultado será nota zero.
      4. Faça uma lista curta dos tópicos que pretende abordar em seu texto. Adote uma posição, argumente a favor desta posição e conclua com uma proposta de intervenção, mas não desrespeite as pessoas nem faça apologia de condutas criminosas, como o desrespeito aos direitos humanos,  à democracia, em sua redação.

 

Procure seguir a norma culta da língua portuguesa, mas cuidado: os avaliadores não se impressionam com mesóclises e linguagem arcaica. Seu texto deve ser compreendido.

Vai dar tudo certo. Boa sorte!

Professor Roberto Baginski

 

As inscrições para o Vestibular FEI 2º Semestre de 2016 estão abertas. Clique aqui e descubra como utilizar sua nota do ENEM para ingressar na FEI!

Curta nossa página no Facebook

Twitter