08 maio

De mãe para filha: Engenharia Química na FEI

Alguns herdam o nariz, outros o gosto por música clássica. Às vezes herdamos a paciência, ou talvez a falta dela. Pode ser também que você herde a vocação, ou a profissão.

Nesse Dia das Mães, escolhemos a história da Gorette e da Nathalia, mãe e filha formadas em Engenharia Química pela FEI, para homenagear aquelas que, de uma maneira ou de outra, sempre deixam um pouquinho de si em nós.

 

diadasmaes“Sou Feiana da turma de Engenharia Química de dezembro de 1986 e o pai da Nathalia, também engenheiro químico, se formou em junho de 1986. Me casei com esse Feiano na Capela da FEI em janeiro de 1988.
Nossos dois filhos Thiago e Nathalia são engenheiros. A Nathalia bem que tentou fazer farmácia, mas a engenharia falou mais alto no seu coração (o caso deve ter explicação genética) e ela entrou de cabeça na Engenharia.

Considero a formação da nossa filha na FEI a prova viva de um processo de melhoria contínua, pois ela foi muito, mas muito melhor do que eu e o pai dela juntos! Foi reconhecida como melhor aluna de Engenharia Química no ano de 2011 e recomendada pela FEI para participar da primeira turma do Ciências sem Fronteiras em 2012. Formou-se no ano seguinte. Já formada, em 2014 conseguiu uma bolsa para mestrado em Processos Químicos na FEI e na Washington University – St Lous – Missouri, EUA, na área de Energias.

A Nathalia só retorna para o Brasil em dezembro, mas nesse Dia das Mães eu vou visita-la e passaremos o dia juntas. Sei que o mundo está cada vez menor para essa geração de profissionais que, quando se entregam com paixão por suas escolhas, possuem oportunidades fantásticas de aprendizado profissional, cultural e pessoal em outros lugares, mas não vejo a hora de tê-la de volta ao Brasi! Nessas horas o coração de mãe fala mais alto.”

Maria Gorette, ex-aluna da FEI, engenheira química e Mãe da Nathalia

 

Curta nossa página no Facebook

Twitter