05 Jun

Pós-Graduação e empregabilidade

Screenshot_1

O que é empregabilidade? A resposta para essa pergunta é simples, mas revela também um longo caminho a ser seguido. A empregabilidade está relacionada com o interesse que as empresas possuem em contratar e/ou manter um profissional em sua equipe. Quanto maior for a sua bagagem pessoal e profissional, com ótimas referências no mercado, mais você será visto e os empregadores terão interesse em te contratar.

Falando sobre o mercado trabalho, dizer que ele está em constante mudança já não é mais novidade, afinal, vivemos essa realidade há algum tempo. Bastam poucos anos para que as tecnologias sejam reinventadas, hábitos de consumo e comportamento sejam mudados.

Diante de tal cenário, cada profissional deve avaliar e, também, manter sua empregabilidade em constante mudança, apostando em qualificação e evolução. É preciso ser notado no mercado de trabalho.

De acordo com uma pesquisa realizada pela PayScale, empresa americana especializada em pesquisas de perfis salariais, cursar uma pós-graduação aumenta a empregabilidade para profissionais de diferentes áreas.

Para isso, se planejar e investir em cursos de especialização é um passo essencial para se manter atualizado (a). Seja recém-formado (a) ou com anos de experiência, estamos na era do conhecimento e simplesmente não há motivos para encerrar os estudos.

O Prof. Dr. Wilson de Castro Hilsdorf, coordenador do curso de pós-graduação em Estratégias para a Qualidade e Competitividade da FEI, comenta: “O mercado de trabalho pede por profissionais atualizados. Dependendo da carreira, é necessário mais do que um curso de especialização”.

Os benefícios ao cursar uma pós-graduação são incontáveis, como, por exemplo: redirecionar a carreira, podendo atuar em áreas mais específicas ou até mesmo despertar o espírito empreendedor, alterações de cargos e salários, visão ampla de negócios e gestão de pessoas e empresas.

Screenshot_3

Para garantir todos esses fatores, é fundamental escolher uma instituição renomada para cursar a pós-graduação. É importante que a instituição esteja sempre atenta às expectativas e, principalmente, mudanças constantes do mercado.

A FEI está com inscrições abertas para diversos cursos de especialização e MBA, com a tradição e excelência no ensino que você conhece. Acesse o site, conheça e inscreva-se! Os cursos são oferecidos nos campi de São Bernardo do Campo e São Paulo a candidatos individuais e também podem ser oferecidos para grupos fechados. Invista em sua carreira!

Para mais informações:

Campus São Paulo – (11) 3274-5200
Envio de currículos para análise – iecatsp@fei.edu.br

Campus São Bernardo do Campo – (11) 4353-2909
Envio de currículos para análise – iecat@fei.edu.br

18 May

Caminhos e desafios da Administração

O curso de Administração é sempre um dos mais procurados por jovens candidatos ao vestibular. Tamanha procura não é por menos, afinal, quem cursa administração possui nas mãos um leque de caminhos para trabalhar em diversas áreas. Finanças, marketing, suprimentos, recursos humanos e gestão empresarial são alguns exemplos de diferentes tipos de atuação no mercado. O profissional formado em Administração está apto para trabalhar no setor privado, público, terceiro setor e/ou ser empreendedor e administrar o próprio negócio, tendência cada vez mais crescente entre o público jovem.

Screenshot_1

Para capacitar o aluno dentre tantas possibilidades da área, o curso de Administração da FEI tem como objetivo formar profissionais dinâmicos que possam atuar com visão profunda em uma organização. De acordo com o Professor e Coordenador do curso do campus São Bernardo do Campo, Hong Y. Ching, uma das maiores críticas dos empregadores está no fato de que as instituições oferecem conhecimento, mas não fazem com que os estudantes desenvolvam competências necessárias para atuarem na área, na resolução de problemas complexos a partir de análises críticas.

Esse mercado de trabalho amplo e diversificado exige que o jovem formado acompanhe o ambiente de negócios. “Identificar oportunidades de novos negócios, para o caso de empreendedores, e de novas carreiras, para o caso de executivos, deve ser uma constante para estes profissionais. Temos um grande desafio com os estudantes, que é despertar um olhar para as oportunidades que estão visíveis, e àquelas potenciais que devem ser, literalmente, descobertas”, comenta o Professor e Coordenador Willian Francini, do curso de Administração do campus São Paulo da FEI.

Screenshot_2

Os alunos do curso também sabem o quão desafiador é tornar-se um grande administrador diante de tantas escolhas, assim como sabem quais são as vantagens e diferenciais que uma boa faculdade deve ter.

Caroline Fraide, recém-formada no curso da FEI, comenta: “Encontrei a FEI, que é extremamente reconhecida pelo mercado de trabalho pela alta qualidade de ensino e inquestionável tradição. Também escolhi a FEI pela infraestrutura que é impecável e onde temos todo o suporte necessário para os estudos”.

Caroline Fraide, formada em Administração pela FEICaroline Fraide, formada em Administração pela FEI.

O curso de Administração da FEI, classificado com 4 estrelas no Guia do Estudante 2016, foi o primeiro de nível superior do Brasil, criado em 1941, disponível atualmente nos dois campi, São Bernardo do Campo e São Paulo. Constantemente, durante o curso, os alunos são desafiados a colocarem os ensinamentos teóricos na prática, propondo soluções para novos negócios. É o caso da Feira de Empreendedorismo, organizada no campus São Paulo, na qual os alunos devem criar um negócio próprio, desenvolver o produto e apresentar para avaliadores. Alguns desses projetos acabam se tornando casos reais de novas empresas desses novos talentos.

Veja a reportagem:

Então, acerte com FEI! As inscrições para o curso de Administração estarão abertas em breve 😉

 

03 Dec

Administrador de empresas com espírito empreendedor

Com apenas 29 anos de idade, o administrador de empresas Bruno Fermino Peres é exemplo de que, para ser empreendedor, não é necessário ter no currículo apenas experiência profissional, mas também a capacidade de acreditar e investir em nichos de mercado ainda não explorados. Com uma vontade insaciável de empreender, o ex-aluno do Centro Universitário da FEI, formado em 2007, é diretor administrativo financeiro de três startups que têm o faturamento multiplicado mês a mês, entre elas a empresa Coroas para Velório, e-commerce que entrega os produtos com prazo de até duas horas em todo o País. A trajetória de Bruno Peres na Administração começou antes mesmo de iniciar a graduação.

Assim que terminou o ensino médio, aos 17 anos, iniciou o curso de Ciência da Computação, no qual permaneceu apenas um ano, e logo começou a trabalhar no Unibanco como contínuo em áreas internas, fato que colaborou para a decisão de cursar Administração na FEI, em 2004. Ao iniciar o curso, o jovem percebeu como os ensinamentos da graduação poderiam colaborar, e muito, com a carreira profissional. “A primeira aula de Administração tinha como foco a importância e como criar as metas e traçar os objetivos, então, tracei dois planos para os cinco anos seguintes: tirar apenas nota acima de sete e ter um aumento no salário, ou uma promoção anual, até chegar ao cargo de gerente. E isso foi fundamental para o meu desenvolvimento”, afirma.

Com as metas planejadas e o início do curso, Bruno Peres conseguiu a primeira promoção e passou a assistente administrativo. Em pouco tempo, foi transferido para a área de Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) da instituição, onde trabalhava com a parte financeira. “Mais uma vez tive a ajuda da FEI. Como meu trabalho era operacional no setor de cálculos e eu era um dos melhores alunos de Matemática Financeira, meu potencial foi reconhecido pelos superiores. Agradeço muito às aulas do professor Alberto Fossa, que é referência na área em todo o mercado”, pontua. Bruno Peres finalizou a graduação em 2007 com notas altas e com a carreira no banco conforme o planejado, mesmo com alguns obstáculos que surgiram, como o processo de adaptação que ocorreu com a fusão do Unibanco com o Itaú em 2008.

administrador bruno peresNo ano seguinte, o ex-aluno assumiu o cargo de gerente. Após um ano e meio na posição, o jovem foi convidado pelo amigo de infância Eduardo Gouveia para ser sócio no e-commerce de coroas de flores, pois o empreendedor precisava de um profissional de confiança com perfil analítico de processo e com embasamento financeiro, mas que ajudasse também na área comercial.

O administrador lembra que, com o convite, utilizou mais uma vez o que aprendeu na FEI durante as aulas de Teoria de Decisão, na qual são destacados os pontos fortes e fracos de uma situação para, então, fazer uma análise de risco. O jovem resolveu aceitar o convite e passou a fazer parte da startup em agosto de 2011.

Criações de sucesso

A empresa Coroas para Velório trabalha diretamente com um tema tabu – a morte –, mas a inovação de o consumidor comprar coroas de flores online e receber em qualquer lugar do Brasil com tempo determinado foi bem aceita e, desde a criação, em 2010, a empresa atende clientes mensalmente. Quando Bruno Peres passou a fazer parte da empresa eram comercializadas entre 250 e 300 peças por mês; hoje, a empresa vende 2,5 mil unidades mensais em todo o Brasil. Com a sociedade, o administrador passou a fazer parte também da Central da Fisioterapia, empresa de atendimento domiciliar particular na região metropolitana de São Paulo, Campinas e Santos. A empresa, desenvolvida por Eduardo Gouveia e pelo Fisioterapeuta Rodrigo Peres, irmão de Bruno Peres, nasceu em julho de 2011 e hoje totaliza 2 mil atendimentos por mês.

O sucesso da empresa de atendimento domiciliar impulsionou o ex-aluno e seu amigo de infância a criarem, em janeiro deste ano, a Central da Fonoaudiologia, também de atendimento domiciliar, que tem como sócia a fonoaudióloga Adriana Saad. O atendimento abrange a região metropolitana de São Paulo, Campinas e Santos e realiza cerca de 150 atendimentos mensais. Atualmente, as três empresas são referência e possuem escritório próprio com 35 empregados. Entretanto, a vontade de empreender continua e, em breve, chegará ao mercado o Grupo Laços Flores, que vai incorporar à Coroas para Velórios outras duas empresas: a Laços Corporativos e a Arranjos para Maternidade, que oferecem entrega de flores para empresas e hospitais, respectivamente. “No ano passado, a Coroas para Velório e a Central da Fisioterapia cresceram 150% em faturamento e já são referência no mercado. Continuo criando metas e expectativas, mas, agora, de forma muito mais agressiva. Para os próximos anos queremos consolidar os grupos das empresas e abrir novos empreendimentos, aproveitando os nichos de mercado existentes e pouco explorados”, planeja Bruno Peres.
_____________

Artigo publicado na revista Domínio FEI – Nº20 (pág 18)

28 Aug

Dicas para quem quer participar de programas de trainee!

Entrar em um programa de Trainee pode ser uma grande oportunidade de começar a carreira com o pé direito. As oportunidades, na maioria das vezes, envolve um salário muito bom para recém-formados, treinamentos extensivos em diversas áreas da empresa e até um cargo gerencial no final do processo. Por conta de todos os benefícios, os programas de Trainee são muito procurados e a seleção pode envolver muitas etapas, presenciais e virtuais.

Por isso, preparamos algumas dicas para você mandar bem nos processos:

Capriche no currículo
O seu currículo é o seu cartão de visitas no processo. Quanto mais bem preparado, maiores serão suas chances. Com o nome da FEI, você já garante ótimos pontos na questão formação superior, mas outras habilidades também são importantes e podem variar de processo para processo. Enumere as experiências profissionais, cursos, línguas faladas e até projetos universitários, quando relevantes.

Mas cuidado para não cair na armadilha de incluir informações falsas. Mentir que fala inglês fluente, por exemplo, pode ser facilmente desmentido com uma entrevista ou até telefonema, enquanto em um curso que você nunca fez pode ser cobrado o certificado de conclusão.

Intercâmbios e projetos voluntários são ótimos pontos a favor que contam, além de suas experiências profissionais, um pouco sobre sua personalidade.

Esteja preparado para testes online
A grande maioria dos processos de seleção dos programas de trainee hoje em dia começa na internet. E, em alguns casos, mais de 90% dos candidatos são eliminados nesta fase, que podem incluir testes de inglês, lógica, matemática e até games interativos que mostrarão aos recrutadores quais candidatos têm as habilidades necessárias para os cargos.

Muitas vezes, estes testes são cronometrados, portanto, estar bem preparado é muito importante para conseguir resolver todas as questões.

As dinâmicas e sua imagem pessoal
Ok, você se candidatou, foi selecionado e mandou bem nos testes on-line. Chegou a hora das etapas presenciais! Agora os recrutadores poderão conhecer você pessoalmente e é muito importante passar a imagem certa.

Antes de tudo, certifique-se de conhecer tudo o que puder sobre a empresa em questão: sua história, valores, missão, mercado… toda informação é válida e pode ser utilizada em algum momento e os recrutadores estão atentos aos detalhes, que podem fazer a diferença.

Muito cuidado também com a aparência e postura. Mesmo as pessoas mais inteligentes podem passar uma imagem ruim em um processo seletivo, se não estiverem vestidas adequadamente. O ideal aqui é o bom senso: cada empresa tem uma característica e exige um dress code. Saiba escolher com cuidado.

Mas estar bem vestido não é o suficiente quando a postura e linguagem corporal não ajudam. Tome cuidado para não sentar de forma largada, dispense balas e chicletes e evite utilizar muitas gírias. Lembre-se, a primeira impressão é a que fica!

As dinâmicas servem para evidenciar nos candidatos algumas características, principalmente no que diz respeito ao trabalho em equipe: quem são os com perfil de liderança, os tímidos, os que não se dão tão bem trabalhando em grupo e até os que se “apoiam” no trabalho dos outros. Nesta fase, é importante saber demonstrar seu ponto de vista, sem tentar prejudicar os outros e trabalhando pela melhor performance do grupo.

As entrevistas individuais
Geralmente, as últimas fases dos seletivos são de entrevistas individuais, que podem ser com o setor de recursos humanos, com os gestores diretos e até com a direção da área pretendida. Em alguns casos, todas essas entrevistas podem acontecer! As dicas acima, de postura, vestimenta e imagem pessoal continuam válidas. E as entrevistas individuais são o momento ideal de você transmitir as qualidades que podem passar desapercebidas nos momentos da dinâmica. Principalmente quando envolverem os gestores da área pretendida procure mostrar que possui conhecimentos técnicos teóricos e práticos, e saiba evidenciar de forma positiva seus pontos fortes e também os fracos. O objetivo dos programas de trainee não é contratar um profissional super experiente e sim alguém com potencial que, após um intenso treinamento, possa ajudar no crescimento da empresa. Procure sempre falar com segurança e firmeza, utilizando dados numéricos e exemplos práticos, características que agradam os recrutadores.

Agora é só começar a se candidatar aos processos! Lembre-se das dicas e procure sempre dar o seu melhor, mas com sinceridade e transparência.

Boa sorte! 🙂

22 Jul

Juventude e maturidade

O Raccortubi Group é uma holding italiana com 60 anos de história, que fatura 60 milhões de euros por ano e está entre os líderes mundiais na fabricação e comercialização de conexões em aço inoxidável e ligas especiais utilizadas em aplicações em que altas resistências à temperatura, corrosão e pressão são necessárias, como plataformas de petróleo, refinarias, usinas de etanol, papel e celulose, entre outros. Ao decidir ampliar os negócios para fora da Itália, a empresa selecionou três países para instalar filiais e um deles é o Brasil. Para implantar o negócio no País, que deverá começar a operar em meados deste ano, a Raccortubi escolheu um engenheiro de Materiais de apenas 30 anos de idade, mas com grande vivência internacional.

Formado pela FEI em 2008, Pietro Federico Netto alia a ousadia da juventude a uma larga experiência de trabalho, inclusive no mercado internacional. Sua carreira começou ainda durante a faculdade, quando fez o primeiro estágio na planta de Cubatão da antiga Cosipa – hoje Usiminas – no segundo ano do curso. “Foi a partir dessa experiência que me decidi pela área de Materiais”, conta. Depois de passar pela área produtiva, estagiou em Vendas e Marketing e percebeu que também poderia atuar nesses setores depois de formado.

Ao sair da Cosipa seguiu para um novo estágio na Mangels Divisão Aços, na qual atuou com gerenciamento de projetos. Em agosto de 2008, antes da formatura, foi selecionado para um estágio na multinacional sueca Sandvik e, em dezembro, foi efetivado como engenheiro. Quando a empresa abriu um processo de trainee internacional participou, foi selecionado e, a partir daí, sua carreira deu um grande salto. “Segui para a matriz, na Suécia, em um processo de ‘job rotation’, no qual os trainees ficam 14 meses percorrendo as plantas de maior sucesso da empresa”, ressalta o diretor geral da Raccortubi no Brasil. Com isso, o jovem engenheiro também trabalhou nas unidades da Suíça, Alemanha, Inglaterra e Austrália.

O gestor da filial da Sandvik na Itália gostou do seu perfil e o convidou para trabalhar na planta como Business Developer Engineer, onde ficou como expatriado de maio de 2010 a dezembro de 2012. Com a ida desse gestor para a Raccortubi, o engenheiro acabou seguindo para novas oportunidades na indústria de metalurgia italiana. Agora, a saudade da família e do Brasil, e a vontade de enfrentar novos desafios na carreira, o levaram a aceitar a proposta para instalar a Raccortubi no País. “Fui convidado para ser o gestor da filial desde o start up até o estabelecimento da empresa aqui. Está sendo uma experiência nova e realmente desafiadora, pois, além de não conhecer o processo de implantação de empresas, estamos enfrentando a burocracia brasileira”, relata.

Formação

Apesar das dificuldades, o jovem está otimista com o mercado nacional e com a possibilidade de expandir os negócios, no futuro, para a América do Sul. Para Pietro Federico, a ascensão rápida na carreira deve-se, inicialmente, à sólida formação recebida no curso de Engenharia de Materiais da FEI, mas também foi influenciada pelo fato de ter estudado idiomas, nunca ter parado de se aprimorar, ter demonstrado vontade para sair da zona de conforto e ter tido a possibilidade da experiência internacional. “Como tenho maturidade profissional, muita vontade de aprender e conheço bem o Brasil, acredito que teremos sucesso aqui”, enfatiza.

_____________

Matéria publicada na revista Domínio FEI – Nº19 (pág 21)

Curta nossa página no Facebook

Twitter