10 Sep

Como é ser um aluno de Engenharia da FEI?

11219525_10205516661930901_7840861699341734190_n1

Entrei naquele fretado lotado de calouros e achei tudo meio diferente. Era meu primeiro dia, indo para a minha primeira aula na faculdade, que tanto já tinha ouvido outros falarem sobre, mas era o meu dia de conhecer a FEI. A ansiedade se misturava à vontade de começar logo, afinal pesquisei bastante antes de escolher qual instituição estudaria.

Conforme os primeiros dias de aula iam passando, fui percebendo que a “parada” era realmente séria e que precisava estudar, senão eu não passaria de semestre. As primeiras provas (P1) chegaram e eis que saíram as notas: zero, dois, um, três, zero, sete e meio. Foi um baque e logo me vi bem desanimado. Aos poucos, percebi que o que todos falavam era verdade, não bastava estudar, precisava me dedicar.

Lembro como se fosse ontem: fim do primeiro semestre e o resultado, que infelizmente já esperava, primeiro semestre da faculdade perdido. Me lembro que de sete matérias, sendo que uma delas era Educação Física, apenas uma eu não “bombei”, adivinha qual? Claro que a própria. As outras seis ficaram como dependência para o segundo semestre. Amigos da turma que também tinham reprovado em algumas matérias me questionavam se tinha ficado “de DP” e quando eu respondia que “sim, de todas menos educação física”, sentia em seus olhares a reprovação, como se dissessem “Nossa, esse cara não tem futuro na faculdade”.

Perto de começar o segundo semestre, algo já ecoava na minha cabeça. Minha auto cobrança já alertava que precisaria cair ainda mais de cabeça nos estudos. Na época, tinha uma banda de rock que tive que deixar para passar mais tempo na universidade. Ali, eu começava a perceber sozinho que, às vezes, temos que fazer escolhas decisivas quando temos um objetivo em mente.

Estudei, e não foi pouco, e mesmo assim fui mal nas primeiras provas das três matérias mais difíceis. Lembro como se fosse ontem das notas que precisava tirar para passar: 7 em Física 2, 5 em Química e 7 em Álgebra Linear. Parece tranquilo, mas não é. Quem fez FEI sabe do que estou falando, 5 por lá é comemorado como 10. E mesmo tendo dado o meu máximo, mais uma vez, me vi precisando de nota para passar. Sentei com o meu pai para conversar e até cogitei desistir do semestre e mudar de faculdade, mas ele me encorajou, me disse para não desistir e esperar, quando os resultados finais saíssem, conversaríamos novamente. A meta a partir daquele momento era ter só duas dependências e passar.

Era hora de ir para a segunda rodada de provas do semestre (P2) e encarar as notas. Como os segundos demoraram para passar no dia em que as notas foram liberadas. Eis que sai a nota de “Física 2” e para minha surpresa: 7!  Exatamente a nota que eu precisava. Cheguei a acreditar que isso seria impossível, e lá estava eu, gritando de alegria pela minha casa. Quando saíram as outras duas, foram o 5 e o outro 7 que eu precisava. Eu tinha conseguido e quase não acreditava, era como se uma tonelada tivesse saído das minhas costas.

Ir bem ou não era uma escolha minha e decidi trilhar o caminho em que a minha média subiu e eu passei de semestre sem P3. Não consigo descrever em palavras a sensação de ter conseguido, por mérito próprio, superar o medo que marcou os meus primeiros meses na FEI, posso dizer que foi um misto de alívio e felicidade. Foi com esse pensamento que encarei os outros semestres que viriam e também quando escolhi por Engenharia Elétrica.

Sem dúvida alguma, a matéria mais difícil que encarei estava relacionada diretamente com minha escolha pela Elétrica: Princípios da Comunicação 1. Pense em uma matéria em que você simplesmente não entende NADA, essa disciplina era assim para mim. O complicado com Engenharia Elétrica é que tudo é abstrato, não vemos nada fisicamente e temos que calcular tudo o que não vemos. Peguei “DP” dessa matéria e consegui passar na segunda vez.

Depois de quatro anos de muito estudo e dedicação, chegava o nono semestre e com ele o começo do Trabalho de Conclusão de Curso. No último ciclo, além do projeto comecei a estagiar na Behavy, o que fez desse semestre o mais puxado de todos. As matérias não eram difíceis, mas estagiar, fazer TCC, limpar a casa, cozinhar (morava sozinho), me exercitar e me manter saudável era bem difícil. Eu só conseguia pensar em como fazer o dia ter 30 horas.

Eis que no final do décimo semestre, todo o esforço foi recompensado e o TCC aprovado! Nesse momento, tudo fez sentido, cada minuto dedicado a estudar valeu a pena. Baladas perdidas, noites sem dormir e viagens que não fui. Mais do que sair formado com um diploma da FEI, o curso me transformou como pessoa. Aprendi coisas durante esses cinco anos que me acompanharão para o resto da vida, vi o quanto minha força também vem de quem eu amo, por isso agradeço aos meus pais, amigos e familiares porque, com certeza, sem o apoio deles eu teria desistido.

11944959_1025838467449901_1069888740_nFica a lição de que não importa quais as dificuldades que você está passando, confie em si mesmo, vá em frente, insista quando parecer que não dá mais, lute mesmo quando você não tiver mais forças. O único que pode conseguir é você e apenas você! O caminho pode ser difícil, mas alcançar um sonho, um objetivo e olhar para o caminho trilhado, é gratificante e inspirador.

Álick Buscariolli, Desenvolvedor Front-End da Behavy e “Feiano” recém-formado

Comentários

  1. Caro Alick,

    Parabens, é assim mesmo. Eu voltei para o Brasil em 1990 e em 1991 fui para a FEI. Só que não tive a chance de estudar sem trabalhar duro. Era dono de uma empresa de tecnologia e, praticamente, sustentava minha familia. Pude apenas concluir 4 anos mas depois voltei para os USA e mais dois diplomas um BS e um MS de uma Universidade de primeira. Hoje sou dono de uma empresa de tecnologia no Silicon Valley. Fazem 24 anos que entrei na FEI mas parece ontem. A FEI é uma instutição séria que ajuda a dividir quem é quem e quem está à fim. Gostei de ler seu relato pois lembrei bem da sensação da primeira DP que peguei apesar do esforço. Desistir sempre é o mais fácil. Mas são as dificuldades e as falhas que geralmente ensinam mais para quem está realmente à fim. Um abraço e sucesso, Carlos.

Deixe seu comentário

Curta nossa página no Facebook

Twitter