28 nov

Concurso Travessia celebra sua 10ª edição

45382059412_d52146fa9b_b

Para a FEI, o contato com alunos(as) do ensino médio é a porta de entrada para orientar milhares de estudantes que, amanhã ou depois, estarão nas dependências da Instituição disputando uma vaga em um dos cursos superiores oferecidos. Isso quer dizer que, essa porta de entrada, traz consigo grande responsabilidade e impacto, uma vez que envolve a decisão do futuro profissional desses(as) estudantes. Uma abordagem adequada, interessante e responsável faz toda a diferença.

É justamente a diferença que torna, então, o Concurso Travessia da FEI único e aguardado para muitos colégios do Ensino Médio. Criado em 2009 pelo Departamento de Engenharia Civil, a proposta principal do evento é desafiar jovens à criação de uma ponte, mas utilizando recursos um tanto quanto “simples”: palitos de sorvete, cola, clipes e barbantes. Além da criação, as pontes também são levadas a testes de peso, o que torna o desafio ainda maior. Frente à esta tarefa, uma série de conceitos teóricos de Engenharia, principalmente Física, é aplicada à ponte para que esta seja construída de maneira adequada. E é nesse ponto que o Concurso Travessia conquista os estudantes: ele apresenta a Engenharia na prática de maneira lúdica.

45382060812_665e784a52_b

Realizado nos dias 04 e 05 de outubro, no campus São Bernardo do Campo, a edição de 2018 celebrou 10 anos de evento e, por isso, proporcionou aos participantes alguns detalhes extras.

“Chegamos aos 10 anos e para nós é uma grande felicidade. A 10ª edição tem um significado muito especial, pois as pontes têm a condição de serem em vários tipos: modelos já utilizados no ano passado e também modelos novos. Acho que é um grande estímulo, de fato”. Comenta o professor coordenador do curso de Engenharia Civil da FEI, André Kurt Pereira Amann.

45382061502_57deabb336_b

Os(as) alunos(as) participantes não estão sozinhos neste desafio, os professores os acompanham, vibram juntos e reconhecem: “Esse Concurso Travessia é muito importante, porque os alunos conseguem aplicar na prática o que eles aprendem em Física, Matemática. E depois o interesse deles [por essas matérias] fica ainda maior em sala de aula”, comenta Márcio Luís da Silva, professor de Física do Colégio da Polícia Militar de Santo André/SP.

No vídeo abaixo, veja depoimentos dos participantes do Concurso Travessia 2018.

Todas as fotos do evento podem ser vistas neste link.

Até o próximo post 😉

 

31 out

Como ter um melhor rendimento no ENEM?

thumbenem cpia

Nos próximos dias 04 e 11 de novembro de 2018, milhares de alunos(as) de todo o País realizarão o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Para muitos, essa é a oportunidade de mudar de vida, uma vez que muitas instituições de ensino, públicas e particulares, utilizam a nota da avaliação como forma de ingresso em seus cursos. O Centro Universitário FEI, inclusive, é uma delas. Referência nas áreas de Administração, Ciência da Computação e Engenharia, a Instituição permite que os candidatos do Vestibular apliquem suas notas do ENEM como forma de apoio ou mesmo ingresso direto, dispensando o exame institucional.

Pensando em apoiar esses estudantes, o professor e chefe do Departamento de Física da FEI, Roberto Baginski, gravou um vídeo com ótimas dicas que podem ajudar em um melhor rendimento no ENEM. Clique aqui e assista!

Prof. Baginski ENEM

Professor da FEI dá dicas para um melhor rendimento no ENEM 2018:

03 jul

Olimpíada Brasileira de Robótica na FEI

5

Nos dias 29 e 30 de junho, o Centro Universitário FEI sediou a etapa regional da OBR – Olímpiada Brasileira de Robótica. O evento é destinado a alunos do ensino fundamental e médio, que reunidos em equipes em nome de suas escolas, projetam, desenvolvem, programam e competem entre si com robôs autônomos. Apesar da pontuação e seleção dos melhores times para a etapa seguinte do torneio, o principal objetivo da OBR é incentivar esses jovens a conhecerem e praticarem o mundo da inteligência artificial.

A maioria das equipes começa a projetar seus robôs aproximadamente um ano antes do torneio. É um desafio multidisciplinar, afinal, o projeto envolve diversas disciplinas, como: programação, matemática, física e até design automotivo, para construção de um modelo robusto com melhor desempenho durante a utilização.

2

Aos 17 anos, Breno Gomes é aluno do Instituto Alpah Lumen e está participando da OBR pela segunda vez. Para ele, a experiência é única e traz ótimas noções de trabalho em equipe, característica fundamental em qualquer profissional da atualidade. “É uma experiência que faz você crescer bastante, tanto na programação quanto na robótica e, também, em trabalho em equipe.”, completa o aluno.

Para Ana Clara Alves, aluna do Instituto Federal de São Paulo, a experiência teve um gosto especial, pois essa foi a primeira vez da estudante na competição. “Foi uma experiência muito inovadora e boa. Eu vim em busca de conhecimento e acho que consegui. Espero melhorar para o ano que vem.”

1

Diante deste cenário, nada melhor do que uma Instituição como a FEI, referência em robótica no Brasil e no mundo, para servir de casa à competição. Esses estudantes têm contato direto com o ambiente universitário e também com a própria equipe Robô FEI, uma das principais do País. As equipes vencedoras competirão, em setembro, na etapa estadual da OBR.

Veja mais no vídeo abaixo:

18 jun

Exposições de Projetos da Engenharia Mecânica FEI

1

Nos dias 07 e 08 de junho, o Centro Universitário FEI realizou os tradicionais eventos que apresentam os Projetos de Conclusão de Curso da Engenharia Mecânica. Mais que exposição, o objetivo também é promover a avaliação dos trabalhos por profissionais da indústria, colocando os estudantes da Instituição em contato com pessoas influentes do mercado de trabalho.

A ExpoMecAut, em sua 62ª edição, reuniu os trabalhos voltados para a ênfase de mecânica automobilística. O desafio dos estudantes é sempre criar soluções inovadores que têm impactos positivos na sociedade. No total, oito grupos apresentam soluções diversas, como, por exemplo, um ônibus com um monobloco aplicado em sua estrutura, com o intuito de aumentar a segurança dos passageiros.

Para ler mais detalhes sobre os projetos, clique aqui.

Veja no vídeo abaixo um resumo do evento.

Já na ExpoMecPlena, em sua 42ª edição, os estudantes criam soluções mecânicas para diversas áreas e setores, não só focadas no automobilístico como citado acima. No palco, um jogo rápido de perguntas feitas pelos professores eram respondidas pelos grupos, apresentando os principais diferenciais de seus projetos, trabalhos e ideias.

2

Clique aqui e veja as fotos.

Veja no vídeo abaixo um resumo do evento.

05 jun

Engenharia FEI promove Desafio da Ponte Estaiada

1

As mudanças do mercado de trabalho têm exigido habilidades flexíveis os profissionais. Na Engenharia, por exemplo, criar soluções que tornam a vida em sociedade mais prática depende da união de conhecimentos entre as áreas: mecânica, elétrica, materiais, química, têxtil, civil, produção e automação, além de muitos outros aspectos.

Preparando os alunos para esse cenário, o professor do departamento de física da FEI, Antonio Santoro, promoveu aos alunos de Engenharia o “Desafio da Ponte Estaiada”, no qual os estudantes devem pesquisar diferentes modelos, projetar e construir pontes estaiadas. Os trabalhos são avaliados de forma prática, submetidos a testes de pesos e regras preestabelecidas. À primeira vista, parece ser um projeto somente da Engenharia Civil, porém, os alunos logo notam que construir tal protótipo (assim como em construções reais) requer a integração e trabalho de todas as áreas do conhecimento da Engenharia: multidisciplinaridade.

“Nós percorremos os prédios da FEI, laboratórios como mecânica, civil, aprendemos utilizar algumas máquinas. É importante essa troca de conhecimento”, comenta o aluno William Trindade, de Engenharia Mecânica, que participou do desafio.

Veja mais no vídeo abaixo:

Curta nossa página no Facebook

Twitter