Blog da FEI Centro Universitário FEI | Engenharia
24 jul

Engenheira FEIana é peça-chave na BMW do Brasil

Orgulho FEI_BMW

O sucesso de alunos do Centro Universitário FEI é sempre motivo de orgulho e fonte de inspiração para outros estudantes, professores e funcionários da Instituição. Hoje, apresentamos neste post a Engenheira Mecânica Gleide Souza, formada pela FEI, que tem recebido destaque por suas contribuições ao País, nos avanços das regulamentações e investimento para carros autônomos.

Gleide possui um rico histórico profissional e de conquistas. Foi contratada pela BMW em 2007 com a missão de manter um bom relacionamento com fornecedores do mundo todo, além de coordenar compras internacionais. Após 5 anos, o seu desafio era encontrar um local para a empresa alemã fabricar seus carros no País, frente às adversidades burocráticas, de impostos e legislações. E o êxito dessa árdua missão fez nascer a fábrica da BMW na cidade de Araquari, em Santa Catarina e rendeu um novo direcionamento profissional à Gleide: ela se tornou Diretora de Relações Governamentais da BMW no Brasil.

E os avanços não param!

Agora, em 2018, a BMW deu início à produção do primeiro carro semiautônomo do Brasil. O modelo é o utilitário-esportivo X3 M40i, versão mais equipada do xDrive30i X Line.

2018-bmw-x3-m40i-4

Para a FEI, é uma honra fazer parte da história profissional de Gleide Souza. Leia toda a trajetória da Engenheira FEIana neste link.

20 jul

Como as expedições lunares contribuíram para a ciência moderna?

Prof. Baginski Lua Linkedin

49 anos após a primeira viagem do homem à Lua, tecnologias espaciais são adaptadas para uso na Terra

Por Prof. Dr. Roberto Baginski, Chefe do Departamento de Física do Centro Universitário FEI

No dia 20 de julho de 1969, o astronauta Neil Armstrong entrou para história ao se tornar o primeiro homem a pisar em solo lunar, dando um “gigantesco salto para a humanidade”.

A alunissagem da missão tripulada Apollo 11 projetou a imagem de que tudo era possível em um mundo que se tornava tecnologicamente avançado. Além disso, a corrida espacial se processava no contexto da Guerra Fria, e a viagem à Lua representava a vitória do capitalismo sobre o comunismo soviético. Porém, do ponto de vista científico, se o dinheiro e os esforços investidos na missão tivessem sido direcionados para sondas automatizadas, teríamos obtido muito mais conhecimento sobre o nosso satélite natural do que o obtido pelas pequenas quantidades de rochas trazidas pelos astronautas. Mas é muito provável que um programa para exploração do espaço exclusivamente por meios não tripulados não conseguisse grande apoio popular, muito menos um financiamento.

Nos três anos seguintes após o inédito feito, mais dez pessoas, em cinco missões diferentes, tiveram a oportunidade de visitar a Lua, até que o interesse do público rapidamente diminuiu e, com isso, o orçamento do governo americano dedicado à NASA (sigla em inglês de National Aeronautics and Space Administration – Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço) também foi reduzido, inviabilizando a continuação do programa de missões espaciais tripuladas e acarretando na priorização de programas de exploração e ocupação orbitais, como os ônibus espaciais e as estações espaciais Skylab e ISS (Estação Espacial Internacional).

lua

 Como a Estação Espacial Internacional contribui para a ciência?

A Estação Espacial Internacional (ISS) oferece um ambiente único de microgravidade, permitindo a melhoria da qualidade de experimentos que envolvem cristalização de proteínas, crescimento de células e tecidos, reações químicas ou processos bioquímicos. Um exemplo disso é o experimento MEK (Efeito da Microgravidade na Cinética das Enzimas Lipase e Invertase), realizado pela FEI em 2006 a bordo da ISS.

Além disso, a ISS proporciona condições ideais para experimentos sobre a capacidade de adaptação humana ao espaço. Estes experimentos, que analisam as mudanças fisiológicas em nossos corpos submetidos à microgravidade e a um ambiente com mais radiação espacial do que o encontrado na superfície da Terra, também estuda o ecossistema que seria necessário para uma viagem espacial de longa duração.

Em uma viagem espacial curta, é possível embarcar todos os alimentos necessários, mas em uma missão longa, seria necessário realizar agricultura a bordo da espaçonave e, portanto, é preciso saber como plantas e outros organismos se desenvolvem neste tipo de ambiente e quais medidas devem ser tomadas para garantir as condições de saúde da tripulação.

Tecnologias espaciais são adaptadas para uso na Terra

Há um fluxo constante de tecnologias espaciais na Terra. Por exemplo, as técnicas que permitem a operação de braços robóticos no espaço (os mais conhecidos são os braços robóticos do deck de cargas dos ônibus espaciais) são as mesmas que permitiram que robôs fossem utilizados na realização de cirurgias. Algumas invenções possuem conexão mais evidente com o espaço, como sistemas de localização e de navegação (GPS), mas há também tecnologias mais surpreendentes, usadas para detecção e combate a incêndios ou para tratamento de águas servidas e outros resíduos; estas tecnologias foram testadas na ISS nos últimos dez anos e podem encontrar uso na Terra em breve.

Devemos nos preparar para viver em outro planeta?

A exploração espacial nos ensinou que a Terra é pequena, frágil e muito distante de qualquer outro possível habitat, por isso, estamos muito longe de ter chances reais de iniciar a colonização de outro planeta. Ao contrário das grandes navegações europeias do século XV, em que as naves podiam percorrer oceanos desconhecidos, mas que ainda pertenciam a um ambiente propício à vida, precisaríamos criar todo um ecossistema autossuficiente em outro planeta ou até mesmo dentro da espaçonave, se o local a ser colonizado fosse exterior ao Sistema Solar. Neste caso, apenas a viagem poderia demorar centenas de gerações.

Portanto, em vez de empregar recursos, esforços e talentos para encontrar meios de sair da Terra e destruir algum outro planeta, deveríamos utilizá-los para reduzir o dano que causamos ao nosso lar, garantindo que a vida na Terra seja possível a longo prazo.

fantasy-2368432_1920

__

E você sabia? Em 20 de julho de 1969, em decorrência da ida do homem à Lua, criou-se o Dia do Amigo, que explicamos neste post aqui.

03 jul

Olimpíada Brasileira de Robótica na FEI

5

Nos dias 29 e 30 de junho, o Centro Universitário FEI sediou a etapa regional da OBR – Olímpiada Brasileira de Robótica. O evento é destinado a alunos do ensino fundamental e médio, que reunidos em equipes em nome de suas escolas, projetam, desenvolvem, programam e competem entre si com robôs autônomos. Apesar da pontuação e seleção dos melhores times para a etapa seguinte do torneio, o principal objetivo da OBR é incentivar esses jovens a conhecerem e praticarem o mundo da inteligência artificial.

A maioria das equipes começa a projetar seus robôs aproximadamente um ano antes do torneio. É um desafio multidisciplinar, afinal, o projeto envolve diversas disciplinas, como: programação, matemática, física e até design automotivo, para construção de um modelo robusto com melhor desempenho durante a utilização.

2

Aos 17 anos, Breno Gomes é aluno do Instituto Alpah Lumen e está participando da OBR pela segunda vez. Para ele, a experiência é única e traz ótimas noções de trabalho em equipe, característica fundamental em qualquer profissional da atualidade. “É uma experiência que faz você crescer bastante, tanto na programação quanto na robótica e, também, em trabalho em equipe.”, completa o aluno.

Para Ana Clara Alves, aluna do Instituto Federal de São Paulo, a experiência teve um gosto especial, pois essa foi a primeira vez da estudante na competição. “Foi uma experiência muito inovadora e boa. Eu vim em busca de conhecimento e acho que consegui. Espero melhorar para o ano que vem.”

1

Diante deste cenário, nada melhor do que uma Instituição como a FEI, referência em robótica no Brasil e no mundo, para servir de casa à competição. Esses estudantes têm contato direto com o ambiente universitário e também com a própria equipe Robô FEI, uma das principais do País. As equipes vencedoras competirão, em setembro, na etapa estadual da OBR.

Veja mais no vídeo abaixo:

22 jun

Apresentações de TCCs marcam fim de semestre na FEI

3

O final de semestre é muito expressivo para os estudantes da FEI. Além das provas P2 e P3, os alunos que estão concluindo o curso têm mais um desafio em mãos: o famoso TCC. O Trabalho de Conclusão de Curso é muito aguardado, afinal, a maioria dos grupos começa a desenvolver os seus projetos cerca de um ano antes, passando por todos os detalhes de planejamento, cálculos, viabilização e patrocínios.

Dentre todas as ideias, um detalhe em comum: inovação. O Centro Universitário FEI, Instituição tradicional que visa formar profissionais qualificados, incentiva sempre seus alunos a criarem soluções que trazem benefícios mútuos à sociedade, garantindo assim uma melhor qualidade de vida a todos. Um dos cursos mais tradicionais da Instituição, Engenharia Mecânica, promove duas noites de apresentações dos Projetos de Conclusão de Curso, com a presença de diversos profissionais do setor. Acesse este link e veja como foram as ExpoMecAut e ExpoMecPlena.

Para Engenharias de Materiais, área muito importante e totalmente integrada com as outras Engenharias, os projetos individuais dos alunos também são apresentados em um auditório. Veja destaques no vídeo abaixo:

Quando falamos em inovação e visão de futuro, encontramos com a Feira de Empreendedorismo, organizada pelo curso de Administração do campus São Paulo. Muito se engana quem pensa que só encontra teoria neste curso. Na verdade, as transformações tecnológicas acabaram se tornando grandes aliados de qualquer área do conhecimento.

E, claro, para fechar todo esse ciclo, o INOVA FEI, evento que reúne os TCC’s dos alunos de Engenharias Civil, Química, Têxtil, Produção, Automação e Controle, Elétrica e também do curso de Ciência da Computação. No vídeo abaixo, você pode conferir os destaques das apresentações.

Agora formados, esses novos Engenheiros e profissionais da Tecnologia da Informação, têm o desafio de continuar criando e transformando. Um dos diversos objetivos da Plataforma de Inovação da FEI, justamente, é colocar o aluno como protagonista de seu próprio aprendizado. As tendências e mudanças dos próximos anos já estão por aí, aguardando que estes profissionais as conduzam da melhor forma, rumo ao sucesso e evolução do País. Para isso, a busca por conhecimento não deve cessar.

Muito sucesso a todos e até o próximo post 😉

19 jun

FEI é sede do 7º Fórum de Reitores do CRUB

7

O campus São Paulo da FEI, localizado no bairro da Liberdade, foi sede do 7º Fórum de Reitores do CRUB – Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras. Com o objetivo de discutir as principais necessidades da educação de nível superior no País, o evento promoveu a troca de propostas, ideias e soluções para os problemas e demandas crescentes no âmbito educacional.

Sob a temática “Financiamento Público e Privado na Educação Superior”, durante todo o dia os reitores e autoridades expuseram suas opiniões em torno desse assunto, uma das peças-chave para aumentarmos o nível de educação superior no País, que apesar de apresentar melhora ao longo dos anos, ainda é muito inferior quando comparado a outros países. Leia a matéria completa em nosso site, clicando aqui.

Assista o vídeo abaixo veja o que os reitores que participaram têm a dizer:

Curta nossa página no Facebook

Twitter