15 Aug

Solventes do futuro

Líquidos iônicos (ILs) são, geralmente, líquidos que consistem somente de íons, definidos como sais cujo ponto de fusão é menor do que 100ºC. Dentre os ILs, encontram-se os líquidos iônicos à temperatura ambiente (RTILs), que são sais líquidos à temperatura ambiente. Os RTILs são constituídos de cátions orgânicos assimétricos relativamente grandes e ânions orgânicos ou inorgânicos relativamente pequenos e que são líquidos na temperatura ambiente devido ao fato de sua entalpia de fusão ser relativamente baixa e da sua entropia de fusão ser elevada. Isso resulta em uma baixa temperatura de fusão. Entre as diversas aplicações estão o uso desses compostos como lubrificantes, fluidos térmicos, líquidos eletricamente condutores em eletroquímica, em catálise e biocatálise e em síntese de nanomateriais. As perspectivas do uso dos líquidos iônicos na Engenharia Química têm como objetivo principal utilizar esses compostos como substitutos dos solventes convencionais.

“A principal característica dos RTILs como solventes é a possibilidade de sintetizar um que apresente as propriedades necessárias para uma aplicação específica. A escolha do cátion e do ânion proporciona a característica particular do RTILs. Estudos na literatura estimam que o número possível de líquidos iônicos é da ordem de 109”, explica o professor doutor Ricardo Belchior Tôrres, chefe do Departamento de Engenharia Química e coordenador de projetos com líquidos iônicos no Centro Universitário da FEI. Segundo o docente, a possibilidade de combinação de milhares de cátions e ânions, juntamente com o aproveitamento de suas propriedades para um determinado processo, proporcionam aos ILs propriedades extraordinárias, que são extremamente importantes em várias aplicações tecnológicas.

As pesquisas envolvendo líquidos iônicos no Departamento de Engenharia Química da FEI começaram em 2010 após a aprovação do projeto ‘Propriedades volumétricas, de transportes e acústicas de sistemas binários contendo líquidos iônicos: estudo experimental e modelagem’, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), sob a coordenação do professor Ricardo Belchior Tôrres. Com a aprovação do projeto e a aquisição de equipamentos, foi possível realizar medidas experimentais de propriedades termodinâmicas de sistemas líquidos contendo líquidos iônicos. O líquido iônico estudado foi o 1-butil-3-metil-imidazólio hexafluorfostato [BMIM][PF6].

A partir de 2012, as pesquisas se intensificaram com a participação da professora doutora Andreia de Araújo Morandim-Giannetti, e o professor doutor Rodrigo Cella, integrado recentemente ao corpo docente do Departamento de Engenharia Química, que também fará parte do grupo de pesquisa. Agora, o grupo trabalha com o objetivo de sintetizar e caracterizar novos líquidos iônicos ainda desconhecidos e não apenas na determinação experimental desses compostos. “Nosso objetivo atual é estudar a possibilidade de sintetizar líquidos iônicos relativamente baratos, pois os existentes no mercado ainda são muito caros. Com a redução dos custos, esses compostos poderão substituir, no futuro, os solventes convencionais na indústria química e petroquímica. Isso abrirá caminhos para uma grande linha de pesquisa no departamento”, explica o coordenador.

Congresso

Os resultados conquistados pelas pesquisas até o momento estão sendo apresentados em conferências internacionais e submetidos para publicação em revistas internacionais. O estudo ‘Syntheses and characterization of new ionic liquids from carboxylic acids and aliphatic amines’ será apresentado no 9th World Congress of Chemical Engineering, entre os dias 18 e 23 de agosto na cidade de Seul, na Coreia do Sul.

07 May

FEI PROMOVE CAFÉ COM A ENGENHARIA QUÍMICA

Dia 11 de maio, às 13h30, a Instituição oferecerá aos professores e estudantes uma palestra denominada “Inovação, Empreendedorismo e Parque Tecnológico”, que discutirá o case de São Carlos.

O evento não se restringe apenas a alunos de Engenharia Química, e contará com a presença do Presidente do Instituto Inova e Gestor do Parque Eco-Tecnológico Damha, João Octávio Armani Paschoal.

O “Café com a Engenharia Química” acontecerá no Auditório Valentim dos Santos Diniz, localizado no campus SBC – Prédio J.

Os cursos de Engenharia da FEI são ministrados apenas no campus de São Bernardo do Campo, e são reconhecidos pelo mercado de trabalho pela tradição, qualidade e excelência.

A Engenharia Química, por exemplo, é um curso abrangente, e engloba desde a criação de um projeto até o controle de processos e equipamentos industriais, que transformam matérias-primas em produtos. Um engenheiro químico também pode atuar nas áreas Ambiental e de Gerenciamento de Negócios.

Para ampliar seus conhecimentos sobre esta e outras engenharias acesse www.fei.edu.br. Caso deseje mais informações sobre o evento, ligue para o Setor de Comunicação e Marketing da FEI (11) 4353-2901.

Curta nossa página no Facebook

Twitter