24 May

Da Iniciação Científica ao Doutorado: conheça a história da aluna Bruna Paz

A aluna Bruna Paz começou sua história na FEI quando ingressou no Curso de Engenharia Elétrica. Continuou sua vida acadêmica na FEI, fez Mestrado também em Elétrica e, hoje, aos 25 anos, é aluna de Doutorado em Engenharia Elétrica, na área de Dispositivos Eletrônicos Integrados.

O interesse da Bruna pela carreira acadêmica começou ainda na graduação, quando decidiu participar da Iniciação Científica e, essa, abriu muitas portas para um caminho já marcado por muito sucesso e que, temos certeza, será brilhante.

Confira a entrevista com a aluna que se prepara para mais um novo desafio, um estágio de um ano, na França:

 

BrunaPazPor que decidiu participar da Iniciação Científica quando ainda era aluna da graduação?

Durante o terceiro ano da Graduação em Engenharia Elétrica, após experiências com monitorias, optei por fazer uma Iniciação Científica na área de Microeletrônica, pois queria uma atividade complementar remunerada que permitisse aprofundar os meus conhecimentos em uma área de meu interesse, agregasse valor ao meu currículo profissional e que fosse conciliável com os meus estudos da graduação.

Que tipo de contribuições um projeto como a Iniciação Científica traz ao aluno?

O projeto te dá a oportunidade de ter contato com profissionais mais importantes da área e participar de conferências nacionais e internacionais. A iniciação científica me permitiu estudar tecnologias da fronteira do conhecimento, então desenvolvi um interesse muito grande por nanotecnologia e optei por continuar meus estudos através do Mestrado.

Quais as vantagens das bolsas do CNPq sobre as demais?

A bolsa de Iniciação Científica do CNPq tem grande visibilidade em âmbito nacional e mérito científico mais reconhecido. Possuir uma bolsa do CNPq confere um status de excelência ao projeto desenvolvido e ao aluno beneficiário. No meu caso, ser bolsista CNPq durante a graduação foi um fator muito importante para a obtenção de bolsas de Mestrado e Doutorado de qualidade e, portanto, para a realização dos estágios de pesquisa no exterior.

Como a Iniciação Científica pode contribuir para o currículo de uma pessoa que não seguirá a vida acadêmica?

A Iniciação Científica permite uma formação complementar que conta como um adicional importante ao currículo. Demonstra interesse por atividades extracurriculares e, portanto, proatividade. Permite o desenvolvimento de diversas competências necessárias para a vida profissional, tais como: desenvolvimento de oralidade, aperfeiçoamento de escrita, estruturação de ideias, prática para apresentação de trabalhos em português e em inglês, capacidade de solução de problemas, habilidades para buscar referências e conteúdos diversos, além de conhecimentos técnicos em softwares específicos.

Agora falando sobre sua vida acadêmica. Por que escolheu fazer seu Mestrado e Doutorado na FEI?

A FEI possui convênios com grandes universidades e laboratórios de pesquisa em outros países. Realizei estágios internacionais, sendo um deles de seis meses, na França, em um dos laboratórios de microeletrônica mais avançados do mundo. Finalizei o Mestrado e estou cursando o Doutorado, através do qual realizarei outro estágio na França, com duração de um ano.

Se você fosse dar uma dica para os alunos que ponderam sobre participar da Iniciação Científica, qual seria?

O aluno deve aproveitar o período da graduação, o contato com os professores e a infraestrutura que a FEI proporciona para se desenvolver ao máximo, de modo a destacar-se em relação aos outros profissionais que já estão no mercado. Uma Iniciação Científica abre muitas portas e é uma ótima oportunidade para adquirir experiências.

 

O Processo Seletivo para as bolsas CNPq 2016/2017 está aberto e as inscrições vão até o dia 31 de maio!

Público: Alunos a partir do 2º ciclo

Mais informações, acesse o Portal do Aluno ou procure diretamente a secretaria de Iniciação Científica no campus São Bernardo do Campo.

>>> PIBIC CNPQ 2016/2017 – INICIAÇÃO CIENTÍFICA

>>> PIBIC CNPQ 2016/2017 – INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO

28 May

O aço em baixas temperaturas

Com o projeto ‘Efeito de temperaturas subzero nas propriedades tensão-deformação do aço-estrutural ASTM A516 Gr 70’, o engenheiro mecânico Lucas Bronzatto Adorno investigou a alteração na resistência e na ductilidade de um aço estrutural típico de vasos de pressão para operações com temperaturas negativas até -85ºC em seu trabalho de Iniciação Científica. Finalizada em 2012, a pesquisa foi desenvolvida com orientação do professor Gustavo Donato e recebeu bolsa do Centro Universitário da FEI. Um ano depois, o aluno concluiu a graduação. O pesquisador explica que as estruturas submetidas a baixas temperaturas são, muitas vezes, projetadas e avaliadas com base em propriedades mecânicas obtidas em temperatura ambiente, o que pode incorrer em perda de realismo nas previsões de falha e vida. Esse cenário torna a investigação de relevância. Nos países com invernos rigorosos a importância do estudo é direta, pois as condições climáticas podem expor os equipamentos a temperaturas negativas da ordem das estudadas. Entretanto, até mesmo no Brasil, caracterizado por clima tropical, a expansão de gases em válvulas e outros acessórios de vasos de pressão e dutos podem causar congelamento local com severa redução de temperatura e potencial para mudança nos micromecanismos de fratura e nas propriedades dos materiais. Para avaliar as propriedades de tensão/deformação em baixas temperaturas, Lucas Adorno realizou ensaios de tração em corpos de prova fabricados com o aço em investigação sob as condições climáticas desejadas. Para tornar possível a execução dos testes, o pesquisador desenvolveu uma câmara climática alimentada por nitrogênio líquido para exposição do material a baixas temperaturas. Para tornar os ensaios ainda mais precisos, o engenheiro desenvolveu e calibrou, na própria FEI, os transdutores de deformações (denominados clip-gages) adequados para a instrumentação das amostras dentro da câmara de ensaio. Os corpos de prova foram submetidos a temperaturas de até -85ºC. Segundo o engenheiro, as propriedades mecânicas obtidas evidenciaram variação inversamente proporcional às temperaturas testadas, além de validarem a câmara e os transdutores como recursos confiáveis para testes em baixas temperaturas na Instituição. “Um projeto de Iniciação Científica faz diferença para a formação do aluno. Gostei muito de trabalhar com projetos, além de ter desenvolvido folderes e apresentações”, reforça Lucas Adorno.

Reconhecimento

Com o conteúdo oriundo de seu projeto de pesquisa, o engenheiro venceu a etapa brasileira do Young Person’s World Lecture Competition, concurso organizado pelo Instituto de Materiais, Minerais e Mineração (IOM3), em parceria com a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração, que reúne jovens cientistas para a apresentação de palestras. Com o título ‘Relevância em quantificar propriedades mecânicas considerando baixas temperaturas para aplicações seguras e eficientes de ações estruturais’, Lucas Adorno destacou a importância de seu estudo. A competição foi realizada em abril de 2013 na Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração (ABM). Como prêmio, o pesquisador ganhou uma viagem a Londres para participar do Romantic Chemistry Exhibition, realizado em maio do ano passado, e a classificação para disputar a final mundial da competição, em 31 de outubro de 2013, em Hong Kong.

_____________

Saiba mais sobre o curso de Engenharia Mecânica e inscreva-se no Vestibular da FEI clicando aqui!

Para conhecer o Programa de Iniciação Científica da FEI, clique aqui!

_____________

Matéria publicada na revista Domínio FEI – Nº18 (pág 28)

Curta nossa página no Facebook

Twitter