17 jan

Setor estratégico para a economia do País

O setor elétrico brasileiro tem vivenciado profundas e irreversíveis transformações, gerando mudanças técnicas, estruturais e comerciais. Com essas mudanças, o governo federal pretende garantir a continuidade de crescimento do País, ampliar a eficiência do sistema energético e incentivar a inclusão social com planos de serviços e tarifação. Além de organizado e tradicional, o setor energético passa a ter um papel protagonista na manutenção e no crescimento da infraestrutura, apresentando como diferencial de competitividade uma ampla matriz de fontes renováveis de energia, não disponíveis em outros países. Apesar da implantação de novas tecnologias, o País ainda enfrenta desafios para atualizar e modernizar a infraestrutura já instalada e para criar novos parques geradores e, assim, atender à demanda que não para de crescer.

Com a reestruturação do sistema de energia brasileiro, todo o cenário tem mudado. “Observa-se que, apesar dos problemas de investimentos, a rede de geração e distribuição elétrica brasileira serve de referência a diversos países, principalmente por sua grande extensão e abrangência”, analisa a professora doutora Milene Galeti, coordenadora do curso de especialização em Sistemas Elétricos de Energia – Suprimentos, Regulação e Mercado do Centro Universitário da FEI. A docente explica que, por estar em constante desenvolvimento, a área tornou-se muito atrativa, pois abre espaço para novos estudos, aplicações e investimentos que garantam a expansão da oferta de energia e, com isso, torna-se crescente a demanda por profissionais especialistas no setor energético.

Para um melhor aproveitamento das oportunidades oferecidas pela indústria de energia elétrica é necessário que estes profissionais estejam suficientemente atualizados com o novo contexto do setor, tanto do ponto de vista do consumidor de energia elétrica, do concessionário ou daqueles que atuam de forma consultiva na elaboração de projetos de instalações e processos industriais. “O curso de Sistemas Elétricos de Energia, que foi implantado em 2008 e já certificou 210 profissionais, tem por finalidade aprofundar o nível de conhecimento teórico nos principais temas desta área, para que o profissional esteja apto a desempenhar suas funções com qualidade e solucionar problemas com rapidez e precisão”, detalha a coordenadora.

Dividido em oito disciplinas, o curso aborda questões sobre Análise de Redes Elétricas de Potência, Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição, Operação e Controle de Sistemas Elétricos de Potência, Instalações e Equipamentos Elétricos Industriais, Utilização e Racionalização da Energia Elétrica em Processos Industriais, Qualidade de Fornecimento de Energia Elétrica, Compatibilidade Eletromagnética aplicada à Indústria, Contratos, Regulação e Mercado de Energia Elétrica. “Com um conteúdo amplo e focado no cenário atual, nosso curso forma especialistas prontos a atuar nos setores de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica”, pontua a docente. Além das aulas expositivas, os alunos participam de dinâmicas de grupo e simulações computacionais.

Ao final da especialização, o aluno apresenta uma monografia de acordo com o conteúdo abordado no decorrer do curso. “Temos excelentes trabalhos na área, tornando-se evidente a dedicação e o interesse dos alunos, seja através de propostas de novas soluções baseadas em suas próprias experiências profissionais ou estudos sobre a viabilidade de implementação de sistemas de geração e distribuição ou, ainda, análise de custos de fornecimento de energia elétrica agregados a um processo industrial escolhido”, enumera. A coordenadora atribui o desempenho dos alunos à grade curricular, que está em sintonia com o setor elétrico brasileiro, e ao corpo docente altamente qualificado, formado por professores doutores e profissionais especializados com ampla atuação neste mercado.

_____________

Saiba mais sobre o curso de Especialização – Sistemas Elétricos de Energia – Suprimento, Regulação e Mercado clicando aqui!

_____________

Matéria publicada na revista Domínio FEI – Nº16 (pág 36)

09 jan

Mercado em franca ascensão no Brasil

As áreas de ar condicionado, aquecimento, refrigeração e ventilação estão em alta na economia nacional. Segundo a Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (ABRAVA), em 2011 o setor apresentou crescimento de 14% e, para 2013, a estimativa de expansão é de 8%, com faturamento previsto de US$ 15 bilhões. A indústria deve receber US$ 9 bilhões desse valor, impulsionada pela refrigeração em transportes e conservação de alimentos e bebidas, enquanto o setor de serviços estima movimentar US$ 2,5 bilhões e o de comércio US$ 2,4 bilhões. O aumento na fabricação de sistemas de climatização resultará, ainda, no desenvolvimento de oportunidades profissionais em diferentes etapas de criação e manutenção de projetos. Atualmente, a região Sudeste concentra 61% do setor.

Segundo o professor mestre Hugo Lagreca Filho, coordenador do curso de pós-graduação em Refrigeração e Ar Condicionado e docente do Departamento de Engenharia Mecânica do Centro Universitário da FEI, há muitos desafios envolvidos no crescimento do segmento. “No Brasil, está se iniciando a utilização de equipamentos de ar condicionado. A procura ainda está limitada aos grandes centros urbanos e tende a crescer nas outras regiões”, observa. O especialista aponta que o mercado de climatização carece de profissionais para acompanhar a expansão e para qualificar a mão de obra técnica.

A preparação para o desenvolvimento de sistemas de climatização eficientes em diferentes setores é uma das competências valorizadas na área. Os profissionais especializados em ar condicionado, aquecimento, refrigeração e ventilação podem trabalhar, por exemplo, nos segmentos hospitalar e de edificações. “É possível atuar em organizações que fabricam equipamentos de refrigeração, em companhias que realizam instalações, em empresas que desenvolvem projetos e também em consultorias”, detalha o docente.

Com o propósito de preparar os alunos para as diferentes demandas do setor, a pós-graduação em Refrigeração e Ar Condicionado oferecida pela instituição proporciona conteúdos avançados sobre o assunto, tendo como base princípios da Termodinâmica, Mecânica dos Fluidos e Transferência de Calor, requeridos para o desenvolvimento de projetos de refrigeração e climatização. “O referencial teórico é um dos diferenciais proporcionados pelo curso. Este ponto em comum entre Engenharia Mecânica e Energia é considerado difícil, pois exige conhecimentos anteriores com profundidade”, salienta.

A especialização é estruturada em três módulos. O primeiro aborda Refrigeração e possui enfoques nos setores comerciais e industriais. Para tanto, são administrados conteúdos sobre Fundamentos de Equipamentos e Sistemas, Conservação de Alimentos e Produtos Perecíveis, Aplicações Comerciais e Industriais da Refrigeração, Projetos e Manutenção de Equipamentos e Sistemas de Refrigeração. A etapa seguinte é dedicada ao Ar Condicionado. Com uma abordagem ampla, os conteúdos contemplam Fundamentos, Equipamentos, Projetos de Sistemas de Ar Condicionado, Acústica, Manutenção de Equipamentos, Conservação e Recuperação de Energia. O terceiro módulo contém elementos de Ventilação, com Fundamentos, Distribuição de Ar, Projeto de Sistemas de Ventilação Geral e Local, Exaustora e Ventiladores.

_____________

Saiba mais sobre o curso de Especialização – Refrigeração e Ar-condicionado clicando aqui!

_____________

Matéria publicada na revista Domínio FEI – Nº17 (pág 38)

Curta nossa página no Facebook

Twitter