09 Jun

59ª ExpoMecAut expõe Projetos da Engenharia Mecânica

Alunos do curso de Engenharia Mecânica Automobilística da FEI apresentaram, no último dia 08 de junho, seus Projetos de Formatura na 59ª ExpoMecAut, que aconteceu no ginásio de esportes.

Expo Blog

Professores e alunos da FEI, profissionais do setor, amigos e familiares dos formandos puderam conhecer os 05 projetos apresentados, trazendo soluções e novas ideias para transportes e locomoção.

O evento contou com a presença de uma banca examinadora, com júri formado por profissionais importantes da indústria, avaliando os quesitos:  criatividade em inovação, conteúdo técnico do projeto, viabilidade do projeto e modelo em escala da inovação.

Conheça os cinco projetos e os três vencedores da noite.

Projeto LF 420

LF - 420

Projeto LF – 420 na 59ª ExpoMecAut

O projeto apresenta uma solução para o transporte de cargas rodoviárias, com um sistema compacto e leve que facilita no carregamento e descarregamento de carga, além de oferecer melhores condições de trabalho aos operadores, com um novo sistema de ergonomia. O sistema visa otimizar até 50% do tempo atual utilizado nesses serviços, 20% do volume e 25% de carga. A plataforma para levantamento da carga é acionada por uma bolsa de ar.

Projeto HY-P

HY-P

Projeto HY-P na 59ª ExpoMecAut

De olho na tendência por produtos ecologicamente corretos, esse projeto traz uma solução que otimiza o sistema híbrido-elétrico, tornando-o mais acessível, uma vez que os veículos atuais não possuem espaço para um sistema hibrido elétrico, além do peso que tal tecnologia traz para os automóveis. A proposta de otimização serve, justamente, para solução desse problema, melhorando sua eficiência e arquitetura.

Projeto AcquaBoost – 3º lugar

Acquaa Boost

Projeto AcquaBoost na 59ª ExpoMecAut

Esse projeto, classificado como o 3º melhor da noite, propõe a injeção de água em motores a combustão sobrealimentados. Essa solução nasceu a partir dos problemas de baixo rendimento desses motores, anomalias no funcionamento devido à temperatura elevada, além da emissão de gases poluentes. Diante desse problema, a meta do grupo é diminuir a temperatura da câmara de combustão.

Projeto H2D – 2º lugar

H2D usar

Projeto H2D na 59ª ExpoMecAut

Há uma grande dependência de diesel no setor de transporte, que devido ao alto uso anual, as taxas de emissões de poluentes também são grandes. O projeto oferece uma solução para reduzo no consumo de diesel para veículos rodoviários pesados, mantendo a potência do motor.

Projeto Eqüus – 1º lugar

Trator

Projeto Eqüus na 59ª ExpoMecAut

O projeto vencedor da noite, Eqüus, propõe um Trator Porta Implemento, que buscar prover a mobilidade ao pequeno produtor, que representa hoje 85% dos trabalhadores rurais. O trator promete realizar diversas operações que otimizam o tempo de trabalho e garante melhores condições físicas para o trabalhador, com sistema de transmissão hidráulica, implementação dianteira e um sistema traseiro para esterçar, facilitando ainda mais a locomoção.

Confira na reportagem como foi o evento!

05 Jun

Pós-Graduação e empregabilidade

Screenshot_1

Dizer que o mercado de trabalho está em constante mudança já não é mais novidade, afinal, vivemos essa realidade há algum tempo. Bastam poucos anos para que as tecnologias sejam reinventadas, hábitos de consumo e comportamento sejam mudados.

Diante de tal cenário, cada profissional deve avaliar e, também, manter sua empregabilidade em constante mudança, apostando em qualificação e evolução. É preciso ser notado no mercado de trabalho.

De acordo com uma pesquisa realizada pela PayScale, empresa americana especializada em pesquisas de perfis salariais, cursar uma pós-graduação aumenta a empregabilidade para profissionais de diferentes áreas.

Para isso, se planejar e investir em cursos de especialização é um passo essencial para se manter atualizado (a). Seja recém-formado (a) ou com anos de experiência, estamos na era do conhecimento e simplesmente não há motivos para encerrar os estudos.

O Professor Doutor Wilson de Castro Hilsdorf, coordenador do curso de pós-graduação em Estratégias para a Qualidade e Competitividade da FEI, comenta: “O mercado de trabalho pede por profissionais atualizados. Dependendo da carreira, é necessário mais do que um curso de especialização”.

Os benefícios ao cursar uma pós-graduação são incontáveis, como, por exemplo: redirecionar a carreira, podendo atuar em áreas mais específicas ou até mesmo despertar o espírito empreendedor, alterações de cargos e salários, visão ampla de negócios e gestão de pessoas e empresas.

Screenshot_3

Para garantir todos esses fatores e se manter atualizado (a), é fundamental escolher uma instituição renomada para cursar a pós-graduação. É importante que a instituição esteja sempre atenta às expectativas e, principalmente, mudanças constantes do mercado.

A FEI está com inscrições abertas para diversos cursos de especialização e MBA, com a tradição e excelência no ensino que você certamente conhece.

São 17 cursos disponíveis, sendo:

– Administração de Empresas para Engenheiros

– Administração de Produção

– Automação Industrial e Sistemas de Controle – Mecatrônica

– Empreendedorismo

– Engenharia de Infraestrutura Urbana

– Engenharia de Segurança de Trabalho

– Engenharia e Manutenção Hospitalar

– Gestão de Projetos: Práticas PMBOK Guide

– Gestão e Tecnologia em Projeto de Produto

– Gestão de Operações Logísticas e Supply Chain

– Gestão de Manutenção e Ativos

– Marketing

– Mecânica Automobilística

– MBA em Gestão de Tecnologia de Informação

– Refrigeração e Ar Condicionado

– Sistemas Elétricos de Energia – Suprimento, Regulação e Mercado

– Gestão Empresarial

Busque conhecimento profissional com a FEI. Os cursos são oferecidos nos campi de São Bernardo do Campo e São Paulo a candidatos individuais e também podem ser oferecidos para grupos fechados.

Para mais informações:

Campus São Paulo – (11) 3274-5200
Envio de currículos para análise – iecatsp@fei.edu.br

Campus São Bernardo do Campo – (11) 4353-2909
Envio de currículos para análise – iecat@fei.edu.br

01 Jun

17º Torneio Colegial agitou alunos do ensino médio

post_torneio colegial

17º Torneio Colegial na FEI

Foco, treino, espírito de equipe e competições emocionantes tomaram conta da FEI entre os dias 29 de maio e 03 de junho, durante o 17º Torneio Colegial.

Incentivar os jovens à prática do esporte é indispensável em suas formações educacionais. É desenvolver em cada um as técnicas sociais e comunicativas muito utilizadas na vida acadêmica e profissional. A FEI apoia essa ideia e, por isso, organiza anualmente o Torneio Colegial, evento que reúne escolas do ensino médio da Grande São Paulo em torneios emocionantes com direito a pódio, troféus e medalhas.

Organizado pelo CVDRL (Centro de Vivência Desportiva, Recreação e Lazer da FEI), o Torneio Colegial é realizado no complexo de esportes da FEI, formado por: campo de futebol, quadras poliesportivas, ginásio coberto com capacidade para até 2.500 pessoas e uma piscina semiolímpica, com arquibancada para até 800 pessoas.

Abertura 2

Quadras, campo de futebol e piscina semiolímpica da FEI

A 17ª edição do Torneio Colegial contou com a participação de 14 escolas, públicas e privadas, nas modalidades:

Basquete – Masculino e Feminino

Handebol – Masculino e Feminino

Futsal – Masculino e Feminino

Futebol – Masculino

Voleibol – Masculino e Feminino

Natação – Masculino e Feminino

Todas as manhãs o cerimonial de abertura foi realizado com desfile das delegações, hasteamento das bandeiras e execução do Hino Nacional. Também houve o juramento dos atletas e a entrada da tocha olímpica, que permaneceu acesa durante todas as partidas.

Abertura

Cerimonial de Abertura do 17º Torneio Colegial

Durante os jogos, a emoção tomou conta! Na arquibancada as torcidas de cada escola acompanharam cada jogada com olhares concentrados e gritos de apoio aos colegas em quadra. Cada minuto de sufoco e emoção foi bem recompensado ao fim do dia com a premiação realizada para as equipes vencedoras, que receberam as medalhas e troféus pelos resultados conquistados. A alegria entre os jovens foi contagiante.

Fotos jogos

Competição de voleibol no 17º Torneio Colegial

O coordenador do CVDRL, Nelson Aparecido Tuono, comentou ao Blog da FEI sobre a importância da realização do torneio na FEI:

“Nós abrimos o espaço da FEI para as escolas e alunos do ensino médio. É uma maneira de incentivar a prática e o desenvolvimento do esporte, além de ser porta de entrada para muitos adolescentes conhecerem a faculdade”.

Nós do Blog da FEI parabenizamos todos os alunos e professores das escolas participantes. Coragem, dinamismo e trabalho em equipe são virtudes para todo ser humano, dentro e fora das quadras.

 

 

 

13 Mar

Monitoria é uma das atividades universitárias que valorizam o currículo dos alunos

Em matéria recentemente divulgada pela revista EXAME sobre as oito atividades acadêmicas que valorizam o currículo dos estudantes está a monitoria. O trabalho de monitor é extremamente valorizado dentro e fora da FEI, os alunos trabalham dentro do próprio Campus, representando a universidade com a flexibilidade de aliar estudo a trabalho. O Centro Universitário da FEI conta atualmente com aproximadamente 180 monitores, sendo duas áreas de atuação: comunicação e disciplinas.

O aluno Richard Godinho, estudante de Engenharia de Produção e monitor de comunicação há 7 meses, conta que as atividades que realiza como monitor se assemelham bastante à de uma empresa “Faço relatórios e assumo responsabilidades. Fora que como são muitos monitores, criamos um networking dentro da própria faculdade, então a amizade não fica só aqui na monitoria, levamos para o Campus e você sempre conhece gente nova, de outros cursos.”.

_MG_1716Lucas Miranda é aluno de Engenharia Mecânica e monitor da disciplina Fundamentos de Transmissão de Calor. Depois de ser aprovado na matéria com uma média alta, o aluno decidiu se candidatar à monitoria e ajudar os colegas com maior dificuldade “No começo os alunos parecem meio perdidos, às vezes não sabem como começar um exercício, mas depois que passam a frequentar a monitoria, entendem melhor a matéria e melhoram suas notas, principalmente os que vêm regularmente.”. O aluno Paulo Wey Costa, do 3º ciclo de Engenharia Mecânica, conta que ser monitor também é uma forma de estudar “Uma vez, um professor meu falou sobre um gráfico de aprendizado que mostrava métodos de estudo: fazendo cópias da matéria você aprende aproximadamente 10% do conteúdo, exercícios te ensinam 30% e se você ensina a matéria à outra pessoa, você aprende 90% do conteúdo. Então ser monitor de disciplina te possibilita estudar enquanto trabalha.”

Os monitores da FEI recebem por hora trabalhada e têm um limite de carga horária diária e mensal. Uma das preocupações da instituição é fazer da monitoria, uma oportunidade de aprimoramento das capacidades profissionais do aluno sem interferir em seu desempenho acadêmico. “No mesmo dia em que eu fiz a entrevista para a monitoria, eu também fiz uma entrevista de estágio em uma empresa e fui aprovado para as duas vagas. A diferença é que o estágio pedia a mudança do meu curso para o período noturno, enquanto a monitoria me dava a flexibilidade de adaptar meu horário de trabalho com os horários do curso, então optei pela monitoria.”, conta Richard. Estudante de Engenharia Civil e monitora há um ano e seis meses na área de Comunicação, Monisy Thabata, reforça que durante as semanas que antecedem as provas há uma flexibilidade maior, uma vez que trabalhando para a Universidade existe a compreensão em relação à necessidade de estudar naquele período.

_MG_1626Os monitores de comunicação e disciplina ressaltam que ser monitor ajuda no desenvolvimento pessoal e profissional do aluno e apresentam exemplos diferentes da mudança que percebem em si mesmos desde que começaram o trabalho. “Eu acho que você aprende a ser muito paciente e organizado. Aqui você passa a entender que não é porque é fácil para você, que vai ser fácil para todos e você precisa organizar seu pensamento e seu tempo, para fazer tudo se encaixar e funcionar da melhor maneira possível”, conta Paulo que é monitor de Física II. Monisy reforça sobre a responsabilidade em ser monitora “Você está representando a FEI, literalmente vestindo a camisa da sua Universidade e enfrentando desafios e situações inesperadas estando nessa posição. Sem dúvida, o meu poder de comunicação se desenvolveu bastante e eu me encantei pela FEI muito mais depois que entrei aqui e passei a conhecer a faculdade fora da sala de aula.”.

Quanto à matéria da revista sobre a valorização profissional dos alunos que fazem trabalhos de monitoria, Richard é taxativo “Eu concordo que a monitoria agrega muito para o meu currículo. Volto a dizer que a monitoria abre seu leque de pessoas e oportunidades, é uma responsabilidade pesada representar a FEI, mas também muito interessante. É uma sensação muito boa ver o olhinho dos estudantes brilhando quando você fala da FEI com orgulho.”.

_MG_1691

 

Para mais informações sobre o trabalho de monitoria, fale com a Coordenadoria Departamental.

08 Mar

Número de mulheres na Engenharia da FEI cresceu 84% em 10 anos

Considerada durante muito tempo área tipicamente masculina, a Engenharia cada vez mais desperta o interesse da mulher. No Centro Universitário da FEI, o número de alunas na Engenharia quase dobrou em 10 anos. Em 2002 eram 763 mulheres, o que representava 12,8% do total de matriculados na área, enquanto que em 2012 o número saltou para 1.402, aumento de 21%. “O mercado de trabalho está bastante aquecido e isso favorece a procura pela área”, analisa a Vice-reitora de Extensão e Atividades Comunitárias da FEI, Prof.ª Dr.ª Rivana Marino.

E o número de interessadas deve crescer ainda mais nos próximos anos por conta da realização da Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil e também pela necessidade de mão de obra especializada para atender a demanda necessária para a construção de empreendimentos de infraestrutura, como portos, aeroportos, habitação e geração de energia. “Hoje, o mercado de trabalho aceita melhor a mulher na Engenharia e não discrimina”, comenta Prof.ª Rivana.

A vice-reitora da FEI ainda afirma que a tendência é equilibrar o número de mulheres e homens nas salas de aula de Engenharia, mas para isso acontecer alguns padrões precisam mudar. “Muitas mulheres não enxergam a Engenharia como boa opção. É uma questão cultural que precisa mudar. A sociedade vincula muito a imagem da mulher com área de Humanas, por exemplo”.

Na Engenharia, a FEI oferece cursos de graduação nas áreas de Automação e Controle, Civil, Elétrica com ênfase em Eletrônica, Computadores e Telecomunicações, Mecânica, Mecânica com ênfase em Automobilística, Materiais, Química, Produção e Têxtil.

Curta nossa página no Facebook

Twitter